quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

MaDame Retrospectiva : 10 filmes decepcionantes - 2015

MaDame Retrospectiva 
por Cristiane Costa



Para começar a Retrospectiva do MaDame, framboesas serão distribuídas para começar a alegrar a festa de Ano Novo. Em 2015, conhecemos mais filmes bons do que ruins, ainda assim, vários deles apresentaram uma preguiça infindável na elaboração do roteiro e na direção. 

Filmes decepcionantes têm um detalhe a mais do que ser meramente mal executados e aquém do esperado, eles poderiam ter sido bem melhores, seja pelo elenco, proposta,  franquia,  popularidade, divulgação, entre outros, mas jogaram a oportunidade fora e, portanto, tornam-se muito mais frustrantes. Certamente, existiram filmes piores do que estes, no entanto, esta seleção preza pelo sentimento de decepção que os filmes provocaram.



10. 007 Spectre, de Sam Mendes

"As referências clássicas de 007 estão no filme com a roupagem do cinema blockbuster contemporâneo, mas ele foi executado friamente por Sam Mendes, com um roteiro preguiçoso, um clímax desinteressante, um vilão mal desenvolvido e sem aproveitar a força afetiva  de seu potencial. Poderosa franquia, marketing e o grande diretor não trouxeram diferencial a Spectre"




9. Love , de Gaspar Noel

"Após todo o barulho causado por Love e seu provocativo diretor, esta narrativa é um desperdício que nem mesmo as cenas de sexo e a fotografia o salvam. A intenção é muito boa sob a perspectiva de relacionamentos intensos, vivenciados com paixão, desejo e uma contínua sensação de incompletude e vazio, mas Noé se preocupou apenas em explorar o sexo pelo sexo, de maneira exaustiva, e esqueceu de contar melhor a história."




 8. Jogos vorazes - A esperança 2, de Francis Lawrence

" Uma excelente distopia que, no seu filme final, decidiram ligá-la no piloto automático. Mesmo em um contexto de guerra que, em teoria, deveria ser estratégico, ativo e inteligente, o ritmo do longa  e o roteiro preguiçoso transmitem uma sensação de que nada realmente interessante está acontecendo para o gran finale.  Nem Katniss consegue fazer o filme vibrar e fechar com maestria."



7. Olhos da justiça, de Billy Ray

"Reinterpretações de grandes obras são bem vindas contanto que façam a diferença. Não é o que aconteceu com o remake americano da obra prima Argentina "El secreto de sus ojos" (2009) que, com poucas alterações, entrega um suspense frágil com problemas de edição na transição entre flashbacks e sem  estabelecer um bom roteiro para explorar o talento do trio de astros presentes no elenco. Um remake desnecessário e, o pior é que contou com a consultoria de Campanella e Sacheri que, pelo jeito, não conseguiram fazer milagres."




6. Peter Pan, de Joe Wright

" O que esperar de Joe Wright,  um excelente cineasta e que dirigiu uma obra prima como "Desejo e reparação"? Um filmaço! Não é o que acontece aqui. Ainda que Peter Pan seja um clássico adorável e, nesta revisitação, seja interpretado pelo belo ator mirim Levi Miller, o roteiro é muito irregular e não apresenta uma grande e significativa aventura. O vilão, interpretado por Hugh Jackman, não é bem desenvolvido e a execução se preocupou apenas com efeitos especiais modernos. A magia ficou em segundo plano!"



5. Exterminador do futuro - Gênesis,  de Alan Taylor


"Quando pensamos que uma clássica franquia como "Terminator" pode surpreender como um dos seus excelentes antecessores, Terminador 2 de 1991 e fazer bonito como fez "Mad Max : Estrada da Fúria", eis que surge um novo mico cinematográfico. Gênesis quis inovar e trazer fôlego moderno e homenagem à franquia, porém, aspectos básicos foram negligenciados como desenvolver melhor os textos de novos atores como Emilia Clarke (de Game of Thrones) e Jai Courtney (da série Divergente) e seus conflitos na história. Outra decepção do ano que nem  Schwarzenegger conseguiu salvar."




4. Maze Runner: Prova de Fogo

"A espera por este filme foi grande e  há a aceitação de que a franquia "Maze Runner" é um best seller sobre uma distopia pós apocalíptica com forte potencial cinematográfico , entretanto, a execução ressaltou apenas a ação, principalmente a de correr, correr e correr e esqueceu do desenvolvimento da história, principalmente dos personagens e suas interações ambíguas e antagônicas. O resultado é um filme vazio no qual o público passará boa parte do tempo vendo um grupo de jovens correr de um lado para o outro e tentar sobreviver."




3. O que as mulheres querem, de Audrey Dana

"O Cinema Francês atual tem enfocado em várias produções mais comerciais com valorização da comédia e abordagem de temas contemporâneos, "O que as mulheres querem" faz parte desta onda e deixou bastante a desejar. Reuniu um elenco grande de mulheres, dirigido por uma mulher e foi incapaz de elaborar uma boa história para falar espontaneamente e verdadeiramente com as mulheres. São quase 2 horas de projeção e nenhuma história efetivamente transformadora, inspiradora. Mulheres inteligentes merecem mais do que este filme apresenta."



2. Sob o mesmo céu, de Cameron Crowe

"Três belos, talentosos e queridos atores: Bradley Cooper, Emma Stone e Rachel McAdams, um bom diretor e um filme insuportável. Com muita determinação, é possível terminar de assistir "Sob o mesmo céu". Uma história que não evolui bem e não desperta curiosidade, personagens chatos e mal desenvolvidos e um texto ruim resultam em um filme com investimento e tempo desperdiçados."



1. Cinquenta tons de cinza, de Sam Taylor - Johnson


"Este é um filme muito ruim que só reforça sua mistura de conto de fadas moderno (para mulheres ingênuas, é claro!) com masturbação mental pseudo sadomasoquista e um desperdício de dinheiro que poderia ter sido melhor aproveitado em outros filmes ou uma melhor execução. É o tipo de produção que trata a mulher como objeto sexual e como burra, e não traz prazer erótico , muito menos prazer intelectual. Na sua essência, reforça um péssimo tratamento aos sentimentos e valor da mulher. Nem mesmo as escolhas de elenco com dois belos atores, ambiente requintado e asséptico e a sacanagem implícita conseguem salvar o longa. O resultado é uma comédia ridícula e o mico cinematográfico de 2015!"


2 comentários:

  1. Cinquenta Tons de Cinza é merecedor de todas as vaias. Vencedor KING KONG do ano!

    Eu gostei mais de Spectre do que os demais. Bom, te desejo uma ótima passagem de ano e tudo de bom. 2016 de muita LUZ.

    Beijos, darling.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rô,
      Cinquenta tons de cinza é mesmo uma tragédia haha, e é extremamente estúpido como cinema.

      Spectre tem coisas boas, mas esperava mais do Sam Mendes, por isso entrou na seleção da "frustração".

      Te desejo um lindo Ano Novo, meu querido.
      Beijos , meu amore e leal amigo.

      Excluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière