sábado, 18 de julho de 2015

Una Nova Amiga ( Une Nouvelle Amie - 2014) , de François Ozon




Por Cristiane Costa 




É sedutor quando um filme flerta com o público e orquestra uma combinação de gêneros cinematográficos, tons obscuros nas personalidades de seus personagens e irreverência e bom humor que despertam o imaginário sobre as identidades sexuais. Uma Nova Amiga (Une Nouvelle Amie), de François Ozon (de 8 Mulheres e Jovem Bela) mescla o melodrama com comédia e suspense psicológico e floresce com o despertar do desejo e da questão da identidade de gênero. Somos seduzidos a entrar no jogo de personas  do diretor, que também, assina o roteiro baseado de romance de Ruth Rendell. A escritora tem uma gama de obras instigantes e atraentes para o Cinema, entre as quais, Mulheres diabólicas  (1995) e Carne Trêmula (1997), respectivamente adaptadas pelos grandes diretores Claude Chabrol e Pedro Almodóvar. 




 
Após a morte de uma pessoa querida, a história começa a desenvolver uma relação afetiva que pode ser compreendida como uma grande amizade, assim como um contido desejo sexual e a descoberta de um amor que ultrapassa as diferenças de gêneros e identidades.  Laura (Isild Le Besco) é amiga  de Claire (Anäis Demoustier) desde a infância e vivenciaram momentos juntas como se fossem irmãs próximas. No início, o diretor recorre a uma apresentação desta amizade com flashbacks de como elas eram ligadas. Laura falece e deixa o marido  David (Romain Duris) com a filha pequena. Mesmo com um casamento tranquilo com Gilles (Raphäel Personnaz), Claire está apática e deslocada. Sente falta de Laura. Ainda sob o efeito da ausência da melhor amiga, Claire se aproxima de David para apoiá-lo nesta fase, e de alguma forma, manter este vínculo amigo com ele. Acaba descobrindo algo que não imaginava: David tem fascínio pelo universo feminino e ama vestir-se como uma mulher, tem prazer em se transformar em "Virgínia". A partir daí,  a narrativa evolui para um melodrama de identidades sexuais que confunde a relação de amizade, revela desejos ocultos, provoca  e brinca com a imaginação do público e oferece uma faceta honesta sobre a aceitação da diversidade e de novas configurações familiares.  





Em grande parte, Uma Nova Amiga seduz porque amplia para  a tela a obscuridade da complexidade humana, principalmente com relação à sexualidade. Todos queremos ser aceitos, sem hipocrisia, e em momentos de descobertas pessoais muito intimistas, ter coragem de expor que é, o que pensa e o que se deseja viver entra em choque com as convenções da sociedade e demais dificuldades que as pessoas têm para  se posicionarem a respeito de determinada questão de gênero e sexualidade. Ao abordar um recorte melodramático LGBT com foco em transgênero e com a personificação de uma homenagem ao feminino, o longa se transforma em um belo, amoroso e divertido filme sobre a Diversidade. Com bom efeito dramatúrgico, ele traz outros valores, o de como pessoas se aproximam a partir de uma perda e demonstram afetos,  como descobrem  novas formas de amar o outro, como amaram pessoas que tanto lhe inspiravam ou lhe eram queridas, como vencem as barreiras da tolerância através do amor, portanto, este filme aborda também a aceitação de si mesmo e do outro.





François Ozon  continua provocativo. Aqui, ele é perspicaz na proposta de direção ao manter o suspense na relação  de David e Claire, com estratégias de que tudo pode acontecer entre eles, da amizade ao sexo, de que há uma força misteriosa na tratativa da descoberta da identidade de gênero, de que os personagens confundem seus desejos e, mesmo que seja só na imaginação, se deixam seduzir por homens e mulheres. No entanto, ele trata o material com a leveza da comédia como contraponto, bem apoiado pela excepcional performance de Romain Duris, ator cômico, carismático e concentrado na personagem, e que dá um tom melodramático perfeito à sua "Virgínia". O longa tem mais delicadeza e humor do que uma pesada tensão, ainda que mantenha a obscuridade, mais comum à personagem de Claire, uma mulher estranha desde o início.





Com excelente atuação da revelação Anäis Demoustier que, por trás de seu rostinho de boa moça casada, dá a entender que Claire tem seus pensamentos pervertidos e desejos contidos e está entrando em um terreno da sexualidade que, até então, ela desconhecia, a atriz desempenha bem uma personagem que guarda o mistério da mulher dúbia, confusa, curiosa em uma encruzilhada de novas sensações. Assim,   o diretor brinca com o público e atiça a curiosidade sobre o que move estes  personagens em seus instintos mais obscuros: Claire já sentiu desejo sexual pela amiga Laura e está revivendo este desejo com sua amizade por David/ Virginia?  David/ Virginia é bissexual? Gilles  pensou em envolver sexualmente com um homem? Tudo é possível neste imaginário, porém, não se pode perder de vista que François Ozon apenas usa de referências ao travestismo e o desejo do Cinema de Almódovar e ao suspense de Hitchcock, seu filme é muito mais um melodrama com elementos cômicos que revisita seu tom provocativo, que nos entrega belos e sensíveis momentos e fica mais desejável com a bela trilha sonora de Philippe Rombi , que marca um dos momentos mais comoventes entre David/ Virgínia e Claire. 





Ficha técnica do filme ImDB Uma Nova Amiga
Distribuição : Imovision Filmes 
Estreia: 16 de Julho


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière