quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Mostra 2012: La Demora (2012)



La Demora, representante Uruguaio ao Oscar e dirigido por Rodrigo Plá, é um filme realista com um excelente plot  à altura do Cinema Latino Americano de  qualidade que está acostumado a lidar com questões universais, mas que também retrata problemáticas sociais do nosso cotidiano. Sem emitir julgamentos, o longa toca em um assunto delicado: a responsabilidade dos filhos que cuidam de pais idosos e os sentimentos ambíguos que ela provoca.




Pessoas que tem ou já tiveram responsabilidades com pais que chegam à velhice e dependem de cuidados familiares conhecem  esses sentimentos. O coração de um(a) filho (a) fica dividido entre cuidar da própria vida e cuidar dos pais idosos, principalmente quando a família está inserida em um contexto de pobreza, de falta de emprego e dinheiro e os pais apresentam problemas comuns à idade como as doenças degenerativas, incluindo as relacionadas à memória e à mente.  Através desse longa, o diretor cria um espaço de reflexão sobre a velhice a ponto de tornar perceptível que não podemos  "jogar pedra" em quem já pensou em abandonar os pais, pois tal sentimento já percorreu a cabeça de muitos filhos. Poucos tem coragem de confessá-lo e se sentem culpados com a ideia cruel do abandono.


Em um bairro periférico de Montevídeo, María (Roxana Blanco) é uma mãe solteira de meia idade, que não tem emprego fixo e vive com os filhos pequenos e o pai Agustín (Carlos Vallarino). Seu pai está vivenciando as sequelas do avanço da idade: esquece das coisas, depende de cuidados básicos da filha como tomar banho e cortar a unha do pé, saí de casa e não lembra o caminho de volta, convive com a solidão. Sua sensível condição de saúde provoca uma responsabilidade redobrada para María, que também é uma mulher solitária, que tem uma casa modesta e apertada e vive de "bicos" como costureira. Embora demonstre afeto pelo pai, é nítido seu cansaço ao lidar com situações cotidianas como não ter um emprego fixo, já que o mesmo exigiria que ela ficasse ausente de casa e deixasse o pai sozinho ou pagasse por uma cuidadora de idosos, além do mais  como agravantes do contexto estão a falta de dinheiro para criar uma família de quatro dependentes e o descaso da  família, no caso a sua irmã, que não tem tempo para cuidar do próprio pai e se exime de qualquer compartihamento de responsabilidades.




Com um argumento atual e tocante,  Rodrigo Plá coloca uma filha que, cansada de cuidar do pai idoso e levada à uma atitude intempestiva, o abandona senil em uma praça; portanto o “La demora”  do título do longa é o percurso de tempo que Agustín espera o retorno de sua filha María, sem ao menos se dar conta que ela quis abandoná-lo ali. De forma muito natural, o roteiro inclue o momento acelerador da problemática no qual  Maria leva o pai à previdência social para dar início ao trâmite de ingressá-lo em uma casa de saúde para idosos.  Ela é desmotivada pelo funcionário da repartição pública que menciona que ela tem poucos recursos para colocá-lo em um asilo, mas "muitos" recursos para receber benefícios. Diante de tanto peso em responsabiliades e pouca ajuda, María saí andando pela rua até tomar a decisão limite que movimenta o restante da história.



E assim, Sr. Agustín fica aguardando a filha, sem arredar o pé do local. A partir daí, o filme nos reserva momentos muito tristes sobre a experiência de ser um idoso, abandonado e dependente da família. De certa forma, e por mais que Sr. Agustín mantém fielmente a fé de que sua filha virá buscá-lo, é humilhante ser abandonado pelo próprio sangue. Para engrandecer mais ainda a qualidade do longa e o quanto ele é bem realizado, o elenco de protagonistas faz um excelente trabalho. As atuações de Villarino e Blanco são muito realistas e maduras e capazes de comover com um olhar ou poucas palavras. Em especial, Roxana é uma ótima atriz no seu misto de responsabilidade com o pai e os sentimentos paradoxais com relação à levar este peso e não aguentar mais essa vida.
Esse filme é um exercício de reflexão e, como o bom Cinema Latino-Americano, é um Cinema de perguntas. Muitos sentimentos são despertados para quem é filho, para quem é pai e para quem chegará à velhice. Seremos abandonados pelos nossos filhos? Viveremos em um asilo ou  "de favor" na casa deles? Desejaremos viver nossas próprias vidas e abandonar nossos pais?  De fato, o filme expõe uma situação difícil pois, ao mesmo tempo que Maria ama o seu pai, ela está sozinha e merece tocar sua vida com mais liberdade. Por outro lado, a idade chega para todos e, na velhice há de ter qualidade de vida e o amor da família. 





À medida que Sr.  Agustín espera pela filha, passa frio, mija nas calças, entre outras situações angustiantes, a câmera nos conduz aos sentimentos de María, que vão da mentira ao arrependimento, passando pela culpa até a busca incansável pelo pai em albergues noturnos e assistenciais. A direção trabalha bem os close ups com mais intimidade e com uma fotografia que desfoca o fundo para trazer à frente o quão real é aquela situação, aquele sentimento. Outra escolha do diretor está em focar detalhes desse ambiente, como os pés do idoso e a dificuldade para calçar um sapato, o olhar pensativo da filha enquanto trabalha em sua máquina de costura,  a pele envelhecida e molhada durante o banho etc. 

Com éxito,  o tempo percorrido nessa demora é o tempo que o expectador tem para analisar o quão a velhice é uma realidade angustiante e é preciso olhar com carinho para esse momento. Estando vivos e por anos a fio, é uma questão de tempo, não escaparemos nem da morte e nem do envelhecimento.




Ficha técnica no ImDb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière