terça-feira, 21 de junho de 2016

Os Cowboys (Les Cowboys, 2015), de Thomas Bidegain


por Cristiane Costa,  crítica de Cinema MaDame Lumière




Na tradição dos filmes de faroeste ou influenciados por este gênero e por uma sociedade e cultura de cowboys, é natural encontrarmos uma tradição de valores familiares com pais rigorosos que jamais abririam mão de determinadas regras ou visão de mundo para os filhos. Estes comportamentos, estilo de vida e regionalização de costumes são reforçados pelo ambiente, pela vizinhança e pelos laços próximos que asseguram a criação dos filhos. Entretanto, as novas gerações são levadas a buscar suas identidades e suas próprias escolhas, no meio dos cowboys não seria diferente.




Com esta premissa das distintas escolhas entre pais e filhos e as diferenças entre gerações, Thomas Bidegain dirige seu primeiro longa - metragem, "Os cowboys", um drama que aborda a história de Allain Balland  (François Damiens), pai de Georges "The Kid" (Finnegan Oldfield) e Kelly (Iliana Zabeth) que, repentinamente, vê a sua filha desaparecida e inicia uma jornada de busca ao lado de "Kid". Bidegain é conhecido pelos roteiros de grandes filmes de Jacques Audiard  como "O profeta", "Ferrugem e Osso" e "Deephan : o refúgio". 


Nota-se claramente a influência desta parceria na execução do longa, na forma como o diretor expõe o drama bruto vivenciado por aqueles que fazem parte da sociedade islâmica ou com ela tomam contato. Por consequência, estas cenas refletem um mundo globalizado constantemente mergulhado na intolerância e desconfiança, no qual os europeus são diariamente testados e precisam amadurecer. Neste cenário, os personagens de Oldfield e Zabeth simbolizam a nova geração que nasceu de outra mais tradicional, colocando em confronto o velho cowboy (Damiens) e o novo cowboy (Oldfield).


"Não é uma história sobre pessoas que vão mas as que ficam" 
(Oldfield, durante debate pós sessão do filme no Caixa Belas Artes)



Em sua primeira direção, Bidegain escreve uma história que também enfocará diferentes microcosmos sociais como a França e o Paquistão, além de situações que envolvem tensões étnicas e sociais, com mortes, racismo e terrorismo. Entretanto, ainda que tenham certas referências visuais de Audiard, na maneira como é decupado, fotografado e editado, este não é um filme Audiardiano no qual os conflitos étnicos na Europa são intensos. Também não é um filme sobre terrorismo. Pelo contrário, "Os cowboys" é sobre pais e filhos, amadurecimento e escolhas e tem uma visão mais otimista que, à medida que "Kid" sai à procura da irmã, a história ajuda o público a notar que os tempos heróicos devem ser mais tolerantes, mais construtivos e baseados na aceitação do outro e de respeito por como as pessoas querem viver.

Evidentemente, este filme veio em boa hora mesmo com as preocupações iniciais dos realizadores tendo em vista de que foi lançado na França 1 semana depois dos últimos atentados em Paris. Felizmente teve boa aceitação.  Ele funciona como uma mensagem de que, apesar do mal estar francês com relação à xenofobia e terrorismo, ainda existe esperança de dias melhores e mais tolerantes.  O jovem francês não quer cometer os mesmos erros das gerações passadas, portanto, o filme abre a mente para novos heróis capazes de se colocar no lugar do não Francês, do não Europeu, ou seja, pensar o mundo de uma maneira mais global e harmoniosa.




Finnegan Oldfield ao lado de Philippe le Guay na coletiva de imprensa do Varilux:
 "Cowboys é um filme sobre diálogo entre diferentes gerações"


François Damiens, um ator por excelência bem participativo em comédias, aqui demonstra uma  boa atuação, um pai tradicional e apaixonado pela família, muitas vezes mal compreendido em sua agressividade, ainda assim, um pai obstinado, sem medo de ir até o fim do mundo para buscar Kelly e consideravelmente em conflito por causa da decisão da filha. Finnegan Oldfield, um dos jovens atores da França, promissor novos projetos no Cinema, executa muito bem seu papel e, com evidentes foco e concentração, considerando que, em determinado ponto do roteiro, ele tem mais autonomia em cena e assume totalmente o papel de cowboy a não desistir da família e honrá-la em sua jornada. Para Oldfield, trabalhar neste filme foi "uma aventura humana". Seu personagem está realmente aberto ao mundo, tem empatia para compreender  as pessoas de regiões diferentes, quebra fronteiras ao ir para outro país e se envolver com pessoas de outras nacionalidades e isso faz dele um novo herói.




Um plus das atuações: mostrar o cômico ator François Damiens em papel dramático


Como destaque, a composição de determinados planos é de uma beleza ímpar, principalmente as que mostram o estilo de viver dos cowboys como as festas, os cavalos e a paisagem bucólica, com destaque para o plano detalhe de uma dança regional, um dos mais bonitos. Por outro lado, nem tudo são flores em "Os Cowboys". Sendo a primeira direção de Bidegain, a fluidez narrativa e as transições entre acontecimentos foram diretamente afetadas pelo roteiro bastante apressado e simplista em passagens que deveriam ser melhor trabalhadas. Como exemplo, destaca-se à ida de "Kid" ao Paquistão e as dramáticas consequências de tal ato que não culpabilizam o jovem de forma realista, mas o fazem sair da situação com bastante facilidade. Se fosse uma não ficção, talvez isso não aconteceria a ele de forma tão breve. Na sequência, com um belo e aberto desfecho que deixa o público a pensar o porquê desta conclusão, ainda que o final seja um acerto, as ações que o antecedem são ligeiras e poderiam ter sido melhor desenvolvidas nos tempos cronológico e narrativo.



Quem são os nossos novos heróis? Fica a reflexão.


Salvo estas derrapagens técnicas, pode-se dizer que "Os Cowboys" é um bonito filme. Traz uma reflexão contemporânea, madura, útil: respeito às escolhas individuais, respeito ao estilo de viver que cada um tem, respeito à identidade. Também, a história eleva sua força dramatúrgica ao evidenciar que não sofrem apenas os que partem mas sofrem os familiares e amigos que ficam, aguardam notícias e têm esperança de que os seus entes queridos voltem para casa. 



Ficha técnica do filme Imdb Os cowboys
Fotos e frases: debate  e coletiva com 
ator Finnegan Oldfield . Por MaDame Lumière

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière