domingo, 26 de fevereiro de 2012

MaDame batendo o Bolão do Oscar 2012 : Expectativas e Apostas




Dia de Oscar. Dia de Expectativas e Apostas. Dia de Bolão do Oscar 2012. Madame está aqui para bater esse bolão e contar quais são minhas expectativas e apostas. Nos últimos anos, tenho tido o prazer de me divertir com os estimados cinéfilos e apreciadores da Sétima Arte para acompanhar e comemorar a tão aguardada festa da Academy Awards que, esse ano, tem um charme todo especial na categoria de melhores longas - ficção: A nostalgia do Cinema e da Arte, evocada em filmes como o longa mudo Francês O Artista, de Michel Hazanavicius, que conta a história de um ator em crise durante a passagem do Cinema Mudo para o Cinema Falado na Hollywood dos anos 20; outro sublime trabalho de metalinguagem com uso eficaz de 3D é o do Mestre Martin Scorsese e seu A Invenção de Hugo Cabret, que reune o encontro de um personagem fictício da obra homônima de Brian Selznick, o orfão Hugo, com o mestre do Cinema de Invenção, o saudoso Georges Mélies. O resultado é pura emoção em uma homenagem às memórias da Origem da sétima Arte e uma bela história na qual o cineasta e o garoto têm uma segunda chance para um recomeço. O brilhante Woody Allen volta à cena do Oscar e concorre também às principais categorias dignas do seu talento como melhor filme, melhor direção e melhor roteiro original com Meia Noite em Paris, que tem a atmosfera nostálgica de um retorno à Paris nos anos 20 e o encontro com uma gama de artistas influentes como Salvador Dalí, Luis Buñuel, Pablo Picasso, Scott Fitzgerald etc. Para incluir ainda mais cinefilia saudosista através das imagens, Steven Spielberg realiza seu emotivo Cavalo de Guerra, sobre o amor de um garoto por seu cavalo e um reencontro entre eles após anos de guerra. O experiente cineasta recupera imagens em planos bem abertos que recuperam os clássicos de John Ford e outros que evocam fotografias provincianas e de guerra como as de E o Vento Levou.


Jean Dujardin e Bérénice Bejo: Carisma


Em continuação à política da boa vizinhança exercida pelos Acadêmicos do Oscar, esse ano temos 9 filmes concorrentes à melhor longa de ficção para agradar todos os gostos de público, iniciativa que já é previsível pois nos últimos anos nem todos os filmes são realmente incríveis. Temos Cavalo de Guerra, O Artista, O homem que mudou o jogo, os Descendentes, a Árvore da vida, Meia-noite em Paris, Histórias Cruzadas, A invenção de Hugo Cabret e Tão perto e tão forte. Embora bons entretenimentos, poucos são dignos de uma estatueta de melhor do ano e a maioria são dramas bastante apreciados pela Academia como Os Descendentes, de Alexander Payne que é uma dramédia sobre um viúvo traído (George Clooney) que tem a esposa em coma e precisa seguir sua vida com perdão e superação para criar suas filhas. Outros dois filmes que combinam com a Academia e falam de superação e esperança são Histórias Cruzadas, de Tate Taylor e O homem que mudou o jogo, de Bennett Miller. O primeiro conta uma bela história sobre um grupo de empregadas domésticas negras que contam suas histórias secretas de convívio com suas patroas brancas. Além de terem uma voz no livro escrito pela aspirante à jornalista Skeeter (Emma Stone), elas lidam com o preconceito racial da época. O segundo tem o astro Brad Pitt como o gerente de um time de baseball, o Oakland A , que consegue montar um time sem orçamento e com a ajuda de um programa de computador.


Dentre os filmes, minha preferência é por A invenção de Hugo Cabret, mais pela maneira que foi dirigido, dos movimentos de câmera altamente sofisticados e experientes de Scorsese à realização nostálgica de um Cinema que honra o trabalho de Georges Melies, assim como traz à reflexão a perpetuidade da obra de um diretor, a questão da passagem do tempo se um cineasta será esquecido ou não. Na concorrência acirrada, deve competir com Hugo o Artista, que é um filme mudo, belo, poético, simpático, com protagonistas carismáticos (Jean Dujardin e Berenice Bejo) e com uma direção concisa que não deixou de fazer referências claras à História do Cinema e que teve uma dose de coragem ao trazer o não sonoro à contemporaneidade. Se der alguma zica e a tradição falar mais alto, ganham estatuetas filmes como Os descendentes e Histórias Cruzadas, que também têm atores como George Clooney e Viola Davis, que realizam uma ótima atuação. Na categoria de filme estrangeiro, torcida geral para o Iraniano a Separação, de Asghar Farhadi, vencedor do Urso de Ouro em Berlim e do Globo de Ouro e um dos melhores filmes do ano. Me surpreendeu como um realista drama familiar, de alta qualidade em roteiro, atuação e direção, que coloca o expectador para dentro da tela.


Martin Scorsese: mestre genial e apaixonado por Cinema



Na direção, quem deve levar é Michel Hazanavicius (O Artista) ou Martin Scorsese (Hugo), porém essa é uma categoria que divide o meu coração porque Martin Scorsese merece esse prêmio pelo requinte e magia nas telas, e também por, após ter dirigido filmes brutos e de tema muito adulto e violento, se rende a um trabalho que é uma poesia cinematográfica para toda a família, porém não se pode esquecer que Terrence Malick fez um genial A árvore da vida, que é praticamente um exercício existencialista, de investigação sobre o homem e seu lugar no mundo, com uma fotografia incrível que é realista e onírica ao mesmo tempo. Dessa forma, Martin Scorsese e Terrence Malick são as minhas preferências. Para melhor ator e atriz, prefiro que ganhem, respectivamente Jean Dujardin (O Artista), que é expressivamente um Gene Kelly moderno e Francês, bonito, envolvente e dançante e, a poderosamente dramática Viola Davis (Histórias Cruzadas), que é uma atriz muito diferenciada e que merece prêmios pela sua veia natural para atuação, sua humildade em cena que é engradecida na tela. Não desprezo os trabalhos de George Clooney (Os descendentes) e Meryl Streep (A dama de Ferro), mas é hora de colocar sangue novo nessas premiações, além disso, Gary Oldman em O espião que sabia demais seria o meu 2º candidato caso Jean Dujardin não ganhe. Embora o personagem de Gary Oldman não seja o mais inesquecível dos competidores, a atuação é concentrada, enigmática e experiente. Já como coadjuvantes femininas, minhas preferências são para Jessica Chanstain (Histórias Cruzadas) e Bérénice Bejo (O Artista), por iluminarem a tela com suas simpáticas personagens e darem o ar da graça de uma forma muito especial, porém Octavian Spencer (Histórias Cruzadas) é uma forte candidata em um dedicado papel que aproveita seu jeito despojado e bem humorado no papel de uma empregada desbocada. Como ator coadjuvante, vencerá Christopher Plummer (Toda forma de amor), que é o queridinho da categoria ao intepretar um idoso com câncer que assume ser homossexual, porém eu prefiro que ganhe Max von Sydow e seu personagem que não fala em Tão forte, tão perto. Ainda que seja um papel muito pequeno, é um belo trabalho de Max que, através do olhar e das expressões de melancolia e de carisma, faz jus a me lembrar que ele era um dos favoritos do gênio Ingrid Bergman.




Na torcida por A invenção de Hugo Cabret, uma ode de amor ao Cinema


Abaixo, o resumo das minhas expectativas, apostas e surpresas:

Desejo um excelente Oscar a todos!


Melhor Filme
Preferência: A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: O Artista
Quem pode surpreender: Os descendentes

Melhor Direção
Preferência: Martin Scorsese, A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: Michael Hazanavicius, O Artista
Quem pode surpreender: Alexander Payne, Os descendentes

Melhor ator
Preferência: Jean Dujardin, O Artista
Quem deve levar: Jean Dujardin, O Artista
Quem pode surpreender: George Clooney, Os descendentes

Melhor atriz
Preferência: Viola Davis, Histórias Cruzadas
Quem deve levar: Meryl Streep, A Dama de Ferro
Quem pode surpreender: Michelle Williams, Sete Dias com Marilyn

Melhor atriz coadjuvante
Preferência: Jessica Chanstain, Histórias Cruzadas
Quem deve levar: Octavia Spencer, Histórias Cruzadas
Quem pode surpreender: Berenice Bejo, O Artista

Melhor ator coadjuvante
Preferência: Max von Sydow, Tão forte tão perto
Quem deve levar: Christopher Plummer, Toda forma de amor
Quem pode surpreender: Jonah Hill, o homem que mudou o jogo


Melhor roteiro original
Preferência: Meia-noite em Paris
Quem deve levar: Meia-noite em Paris
Quem pode surpreender: Margin Call


Melhor roteiro adaptado
Preferência: A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: Os descendentes
Quem pode surpreender: Tudo pelo poder


Melhor animação
Preferência: Rango
Quem deve levar: Rango
Quem pode surpreender: Não há,
com a exclusão de As Aventuras de TiTin na competição.


Melhor filme em lingua estrangeira
Preferência: A separação
Quem deve levar: A separação
Quem pode surpreender: Não há


Melhores Efeitos Visuais
Preferência: Planeta dos macacos
Quem deve levar: Planeta dos macacos
Quem pode surpreender: Harry Potter e as Relíquias da morte - P2


Melhor Edição de som
Preferência: A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: A invenção de Hugo Cabret
Quem pode surpreender: Cavalo de Guerra


Melhor Som
Preferência: A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: Cavalo de Guerra
Quem pode surpreender: A invenção de Hugo Cabret


Melhor Edição
Preferência: A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: O Artista
Quem pode surpreender: A invenção de Hugo Cabret


Melhor Fotografia
Preferência: A árvore da Vida
Quem deve levar: A árvore da Vida
Quem pode surpreender: Não há


Melhor Direção de Arte
Preferência: A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: O Artista
Quem pode surpreender: Meia-Noite em Paris


Melhor Figurino
Preferência: A invenção de Hugo Cabret
Quem deve levar: O Artista
Quem pode surpreender: W.E

Melhor Maquiagem
Preferência: Harry Potter - As relíquias da morte - p2
Quem deve levar: A Dama de Ferro
Quem pode surpreender: Harry Potter - As relíquias da morte - p2

Melhor Trilha Original
Preferência: O Artista, Ludovic Bource
Quem deve levar: O Artista, Ludovic Bource
Quem pode surpreender: A invenção de Hugo Cabret, Howard Shore


Melhor Canção Original
Preferência: Man or Muppet, The Muppets, Bret McKenzie
Quem deve levar: Man or Muppet, The Muppets, Bret McKenzie
Quem pode surpreender: Real in Rio, Rio, Siedah Garrett



Melhor Documentário (longa-metragem)
Preferência: Pina
Quem deve levar: Paradise lost 3: Purgatory
Quem pode surpreender: Pina

Melhor Documentário (curta-metragem)
Preferência: Saving Face
Quem deve levar: God is bigger than Elvis
Quem pode surpreender: Saving Face


* as categoris de curtas de animação e curta - metragem não foram analisadas, pois não tive a visão geral de todos os concorrentes para poder emitir um julgamento.

5 comentários:

  1. Madame, discordamos em seis categorias.

    O que eu mais estou gostando nesse Oscar é que temos uma seleção de filmes de muita qualidade e algumas categorias totalmente imprevisíveis.

    Espero que tenhamos uma ótima noite de premiação.

    ResponderExcluir
  2. Eu consegui acertar só 18 categorias neste ano, mas consegui vencer 1 bolão pelo menos :)

    Não esperava uma edição sem surpresas, mas foi muito bom ver O Artista consagrado. Só lamento a ausência de alguns filmes na premiação.

    Meus comentários sobre o Oscar 2012 estão no ar: http://peliculacriativa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Esse ano eu acertei 20 categorias.
    Apostei em "Millenium" em melhor montagem
    e me dei bem =)

    ResponderExcluir
  4. Linda a poesia escrita no banner do site
    :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Madame, me perdoe pela ignorância de não conhecer essa sua maravilhosa página. Vou te linkar no meu blog para acompanhar as postagens desse espaço sensacional. Abs!

    http://espectadorvoraz.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière