quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Planeta dos Macacos: A Origem (Rise of the Planet of the Apes) - 2011




Planeta dos Macacos : A origem, sob a direção de Rupert Wyatt, marca o retorno da clássica franquia dos símios com uma roupagem mais mainstream, moderna. É um filme politicamente correto com uma bela lição de moral, pautada na escolha pela liberdade, o encontro do lar. Isso não chega a ser um problema, porém fica claro que a intenção do diretor não foi resgatar os primórdios da franquia desde Charles Heston e sim contar uma bonita história trazendo alguns elementos éticos importantes na questão a ciência - o primitivo. O resultado é muito bom, maduro a ponto do roteiro evoluir fluído e dramaticamente com o desenrolar da história, portanto, é um blockbuster que deve ser conferido e que tem de tudo para ganhar a estatueta de melhores efeitos visuais no Oscar 2012 que se aproxima. Na história, Caesar (Andy Serkis) é um chimpanzé que, após perder a mãe em uma experiência de laboratório, é criado por uma família de humanos, o cientista Will Roadman (James Franco) e seu pai Charles (John Lithgow) que sofre de uma doença degenerativa, o Mal de Alzheimer. Caesar desenvolve uma inteligência excepcional, porém, por um infortúnio, acaba ficando longe da família Roadman e é preso com outros macacos em um terrível centro de reclusão. A partir daí, ele liderará o seu grupo em uma luta pela liberdade, contra a exploração e o abuso.




O longa é um ótimo blockbuster que traz 5 qualidades bem harmônicas em sua narrativa e técnica: bom roteiro, excelentes efeitos visuais, uma emocionante temática sobre a liberdade e contra o abuso de animais, uma tensão entre homens e macacos, a opinião ética entre ciência e a natureza primitiva. Com esses cinco pilares, um bem estruturado roteiro, uma direção na qual prevalece as ricas sutilezas do visual que traz emoção e uma dose de afeto, que é evocado pela relação dos Roadman e Caesar, a película é cativante e, no seu desfecho, desmonta em lágrimas o espectador mais sensível. De maneira geral, a história de Caesar é triste e inspiradora. Triste porque foi criado como orfão, fora de seu habitat e em uma família humana que, ao mesmo tempo que o ama, também têm interesses bem particulares pois Caesar é uma cobaia para Will que procura testar uma nova droga e curar a doença incapacitante de seu pai. Nesse aspecto, o filme já divide as emoções do espectador que vai desejar a liberdade de Caesar e a cura de Charles. Por outro lado, a inspiração advém da luta contra a exploração e abuso contra os símios. Eles são inteligentes e, portanto, merecem reinvindicar às suas liberdades individuais e coletivas. Ao estar enjaulados, o filme trabalha muito bem como são prisioneiros, mal tratados e aquém da raça humana, usados comercialmente para atender interessses de grandes corporações científicas. A figura de atitude de líder de Caesar vem a inspirar e abrir caminho para essa liberdade, um direito que vai além do filme e ganha o espectador por mostrar que todos podem escolher e lutar pela liberdade. Nisso está o livre-arbítrio.



Convém ressaltar que Planeta dos Macacos sem esse Caesar não seria o mesmo, ou seja, Andy Serkis é um ponto alto do filme. A expressiva atuação do talentoso e dedicado ator que, desde o Gollum (O Senhor dos Anéis), tem o dom de interpretar personagens digitais via motion-capture é um deleite. Caesar é todo trabalhado em pixels que o tornam um magnífico trabalho visual. Sua atuação rende à fita um realismo impressionante de como o macaco se sente em sua jornada de perdas, adversidades e superações, desde as sutis atitudes de estratégia e liderança até os expressivos olhares de distintas emoções. Destaque também para James Franco, em um papel equilibrado entre a razão e a emoção do cientista e, principalmente, para John Lithgow em uma atuação curta, porém impregnada de sensibilidade e maturidade. Seu estado frágil e instável perante a enfermidade vem a dividir eticamente a opinião do espectador, pois afinal, também se deseja a cura de uma doença para um ente querido, mas a sociedade sabe que, na ciência, muitos animais são usados como cobaias e sacrificados para experimentos.


Esse é um conflito gerado pela dicotomia ciência - natureza, razão - emoção e que, no filme, não passa desapercebido por isso que o longa é uma ótima diversão com reflexão. Indiretamente, ainda que o filme não tenha um propósito militante de levantar bandeiras, outras reflexões são inevitáveis e também virão após a sessão como: o que é afinal evoluir para o homem? Perder a liberdade? Fazer com que outros seres sejam sacrificados e percam essa liberdade? Oprimir para seguir com interesses financeiros e nada coletivos? E a evolução moral, onde fica? Será que o homem evoluiu em sua liberdade , a sua e a do outro, ou continua minando sua própria evolução?


Avaliação MaDame Lumière




Informações sobre o filme, acesse ImdB

5 comentários:

  1. Até agora eu não vi e nem sei se verei... O filme não me chama muito a atenção mesmo...

    ResponderExcluir
  2. Alan, eu acho que deveria assistir pois é bem legal, tocante no final. bj

    ResponderExcluir
  3. Cris, achei o filme bem interessante, nos envolve e tem bons feitos. Achei curioso que na época todo mundo contava com a indicação ao Oscar do Andy Serkis. De fato, é um bom filme! Eu mesmo me senti feliz em ver, sério mesmo, até comprei o BD. Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris,
      Acho que é um bom filme, bem planejado tanto no roteiro, direção e atuações. Está aí um exemplo de filme comercial que cumpre uma função de trabalho bem feito.
      Bj

      Excluir
  4. Eu adorei também. Ótimas reflexões, que, muitas delas, eu compartilhei. Por mais que o filme seja mascarado como uma obra reflexiva, no entanto, é um genuíno blockbuster, que abraça o gênero da melhor forma possível, nos proporcionando diversão, com boa dose de drama. Quanto ao tão comentando Andy Serkis: ele está ótimo, como sempre. Mas, ele esqueceu que estava interpretando um macaco, tornando seu personagem inverossímil, ao imprimir muita humanidade no mesmo. Prefiro, com certeza, ele como Gollum!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière