domingo, 5 de setembro de 2010

Cine Família: Nossa União, Muita Confusão (Our Family Wedding) - 2010



Nossa União, Muita Confusão é a nova comédia romântica que traz a atriz America Ferrera (a consagrada protagonista de Ugly Betty) como Lucia, a mocinha Mexicana apaixonada prestes a se casar com o bonito Afroamericano Marcus (Lance Gross). A base da película é relatar a oposição familiar dos apaixonados após eles anunciarem que estão namorando e querem se casar; em meio à muita confusão dadas as diferenças culturais, há um cômico conflito entre o pai de Marcus, Brad (Forest Whitaker, se arriscando em comédia) e o pai de Lucia, Miguel (Carlos Mencia, exercitando sua habilidade com o gênero) com momentos que transitam das brigas até conciliações. Com direção de Rick Famuyiwa, o atrativo elenco só não emplaca direito porque um roteiro de comédia sobre relacionamento interracial e conflitos familiares com diferenças culturais tem que ter muito tato e sensibilidade, qualidades que ainda faltam nessa fita.





Na primeira hora, o filme se envereda em realçar a intolerância das famílias misturando o riso forçado das piadinhas étnicas preconceituosas com a confusão armada entre Brad e Miguel; as tiradas cômicas não chegam a ser demasiadas ofensivas, porém para o expectador mais melindroso nesse campo das diferenças culturais, a película pode soar bem infeliz já que usar o viés das diferenças étnicas para contrariar a união de duas pessoas que se amam não é agradável e é sempre um campo mais arriscado para um roteirista. Para continuar assistindo o longa-metragem, cabe ao expectador observar a veia cômica de Forest Whitaker que, sendo um vencedor de Oscar, projeta uma nova imagem interpretativa e ainda se sai melhor na fita; Forest continua com o mesmo carisma e simplicidade como ator, e atua como um homem maduro e mulherengo, que flerta e transa com mulheres mais jovens e foge de compromissos por ter um certo trauma com o primeiro casamento. Carlos Mencia, com sua experiência de ator de comédia stand-up deixa a desejar em sua atuação, em virtude de que o seu papel de pai ciumento e intolerante o torna sério e chato demais ; somente quando o filme avança para que ele tenha uma compreensão melhor dos sentimentos da filha Lúcia, o ator fica mais agradável, relaxado e garante alguns bons momentos com Whitaker.





America Ferrera, que é a novidade principal dessa produção, dá certo como Ugly Betty mas em uma comédia romântica torna-se uma mocinha comum demais, facilmente esquecível nesse roteiro que também não desenvolve sua visibilidade como nova atriz de longas-metragem. Apesar dos seus esforços e de sua espontaneidade como atriz, ao ser convidada para estrear essa comédia, America Ferrera não teve outra saída a não ser desempenhar o estereótipo de uma etnia em mais um filme de casamento com diferenças culturais, assim como Nia Vardalos em Casamento Grego. Lamentavelmente, é uma fórmula pronta, previsível e que limita bastante o roteiro do romance e qualquer atriz que é convidada para colocar tudo isso em prática (de novo); logo, resta à America na pele de Lucia lutar para que sua família aceite o amor de sua vida sem se afastar da tradicional base familiar Mexicana. Lance Gross, ao lado de sua amada, é um homem apaixonado, charmoso, educado e empenhado em conciliar ambas as famílias; ele não faz nada diferente do que ser sensato e respeitoso para ser aceito pela família Ramirez e também estar ao lado de seu pai.





O filme tem um roteiro deficiente e o timing cômico é muito aquém do esperado para o gênero além de seguir os clichês básicos como as promessas de amor e a briga conjugal que pode por toda a felicidade amorosa a perder, porém o que se aprende de bom com ele começa a ser visível a partir do momento que a esfera do casamento de Lucia e Marcus já não é o que reina com preponderância mas catalisa mudanças familiares de vital importância; a partir daí, o filme entrega o seu melhor, além de ter uma trilha sonora com imperdível referência soul com artistas como Babyface, Sharon Jones & The Dap-Kings e Jose James. Seus pais começam a rever que estão se metendo na união dos filhos e brigando como crianças mas não estão olhando para si próprios e como lidam com as mulheres. Brad tem uma amiga fiel ao seu lado, Angela (Regina King) e nunca assumiu os sentimentos que tem por ela. Miguel tem sua dedicada esposa Sonia (Diana Maria Riva), a qual ele deixa à margem e esquece de cortejar; logo no meio de toda a confusão, o casamento de Marcus e Lucia não traz somente a união do casal mas também a união de outros apaixonados da família.




Avaliação MaDame Lumière





Título Original: Our Family Wedding
Origem: EUA
Gênero(s): Comédia Romântica, Romance, Comédia
Duração: 90 min
Diretor(a):
Rick Famuyiwa

Roteirista(s): Wayne Conley, Malcom Spellman, Rick Famuyiwa
Elenco:
Forest Whitaker, America Ferrera, Carlos Mencia, Regina King, Lance Gross, Regina King, Diana Maria Riva

3 comentários:

  1. Nunca ouvi falar desse filme, mas acho que a America Ferrera fora de "Ugly Betty" se saiu bem em "Quatro Amigas e um Jeans Viajante", que é um filme bem agradável.

    Beijos, querida! ;)

    ResponderExcluir
  2. Já tinha ouvido falar deste filme, mas percebe-se que é apenas mais uma comédia romântica, não traz nada de absolutamente de inovador em nenhum quesito.
    Eu só tenho vontade de ver este filme, por causa de America Ferrera, gostava bastante de "Ugly Betty", a moça é simpática.

    Abs, Madame =)

    ResponderExcluir
  3. Este filme pode ser um lixo, mas eu vou conferir porque adoro a America Ferrera.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière