sábado, 25 de setembro de 2010

Atração Fatal (Fatal Attraction) - 1987

"Você achou que podia entrar na minha vida,
virá-la do avesso sem pensar nos outros?"

(Alex Forrest)



O cineasta Britânico Adrian Lyne é mestre na arte de filmar o desejo, não a toa que seu background cinematográfico com filmes como Nove Semanas e 1/2 de amor, Proposta Indecente e Atração Fatal é digno de atiçar as mais loucas fantasias movidas a muita paixão e tesão, no qual a delícia é agir como um voyeur das cenas quentes e, ao mesmo tempo, dramáticas que se desdobram a partir do desejo incontrolável e a qualquer preço. Atração Fatal, o clássico e inesquecível thriller erótico dos anos 80 estrelado por Michael Douglas e Glenn Close, em papéis emblemáticos dentro do gênero, é uma prova de que muito mais do que filmar o desejo, o diretor acertou em cheio ao enfocar o passional desejo obsessivo, que culmina em rejeição, loucura e morte.







Em um dos mais realistas e melhores papéis de sua carreira, Glenn Close é Alex Forrest, uma mulher sedutora, misteriosa e psicologicamente instável que aparece na vida do advogado Dan Gallagher (Michael Douglas), casado com Beth (Anne Archer) e pai de Ellen (Ellen Hamilton Latzer). Seguindo o comportamento clichê e fantasia de alguns homens casados, Dan Gallagher conhece Alex em uma festa, puxa uma conversa flertante, e a partir desse momento, há uma atração irresistível entre eles que culmina em uma escapadinha conjugal de Dan durante a viagem de Beth. Com os amantes transando como coelhos, Adrian Lyne não perde a chance de seguir o gabarito do sexo casual, a incansável trepada com direito a cenas ardentes na pia, no elevador e uma esticadinha para movimentar os corpos com muita salsa e suor. Como o mundo das infidelidades conjugais não é perfeito, a traição de Dan não dá certo. Após o prazer, vem o desprazer: a vida dos Gallagher se torna em um inferninho básico em um enredo que transformou Glenn Close em uma mulher aterrorizante, desequilibrada e uma das melhores vilãs do Cinema; mas ao mesmo tempo, capaz de despertar no expectador a piedade pelos personagens trágicos, já que essa é a história de uma mulher rejeitada, mal amada, carente e bem vulnerável por trás de toda a pose de femme fatale.





Além de trazer temas como o desejo obsessivo, a violenta passionalidade, o erotismo, a infidelidade conjugal e a rejeição, há acertos relacionados como o roteiro foi desenvolvido por James Dearden e como Adrian Lyne dirige Atração Fatal, incluíndo aí o benefício do suspense e de um melhor apelo emocional e/ou sexual em cena, ou seja, são acertos que se estabelecem a partir dos detalhes em cena que fazem a diferença em como degustamos e sentimos o filme. Alguns exemplos: Sem pensar muito, os amantes tiram rapidamente suas próprias roupas íntimas, a torneira da pia é aberta quando Alex está transando com Dan. Enquanto a água caí, um close nos pratos e ela molha as mãos; a água faz o contraponto com o calor do coito, refresca o rosto de Dan e o corpo de Alex que umidifica seus seios logo mais beijados pelo amante em um misto de penumbra que oculta a transparência da camisa molhada de Alex; os closes no telefone que toca quando a amante persegue o homem casado e a esposa traída pode atendê-lo e descobrir a infidelidade repentinamente; o suspense em cena com uma chaleira que apita e a panela que ferve no fogão, e respectivamente, ocultam e revelam o perigo que coloca em risco a segurança familiar; a bela sequência na qual, ao som da ópera MaDame Butterfly, são alternadas cenas com Alex solitária em seu apartamento e Dan em estado de diversão com os amigos e a família; o contraponto entre uma família que está buscando uma nova casa para morar (construção da unidade familiar) e uma amante que está prestes a destruir tal harmonia (descontrução da unidade familiar); a violência passional em cenas como Alex chorando e se picando com uma faca, sendo agredida por Dan, enfim, são diversos detalhes no roteiro e como a câmera é dirigida que, embora acompanhados ou não de clichês, asseguram o status de um thriller psicológico que cumpre o que se propõe a dizer.





Embora Atração Fatal tenha conquistado milhares de fãs, que ora se horrorizaram com a psicopatia de Alex Forrester, ora se divertiram e se encantaram com suas insanas atitudes, ora se sensibilizaram com seu infortúnio afetivo, há um ponto de concordância com relação a essa película: Glenn Close é uma excelente atriz e transformou Alex Forrester em um papel memorável no gênero, colocando Atração Fatal como um filme obrigatório pelo argumento que apresenta. A forma como ela interage com a câmera é fascinante porque ela se move com a tragédia de seu personagem, definha junto com a sua obsessão e, como uma autêntica personagem trágica, alcança o ápice de uma tragédia em cena causando na platéia um sentimento de misericórdia por ela. Ela começa agindo de forma bem segura, sensual e liberal o suficiente para atrair Michael Douglas para a alcova, afinal são delas as palavras 'Somos adultos'. Aos poucos revela que é perigosa, descontrolada e intencionalmente capaz de provocar um estrago na família de Dan, porém mesmo com suas atitudes (auto)destrutivas, é uma mulher vulnerável, que enlouquece em sua paixão, obsessão e solidão; dá pena dela pois ela é uma mulher que chora como criança ao ver o seu ex-amante feliz com a família em uma nova casa. Como a própria semântica do vocábulo paixão, Alex sofre, e por sofrer com a rejeição, sua reação imediata é conseguir a todo o custo ter o homem que deseja, por bem ou por mal, seguindo à risca aquele ditado que diz: "se ele não ficar comigo, ele não fica com mais ninguém". Nesse processo, há bastante autenticidade emotiva pois os sentimentos são ambíguos, transitam entre o desejo e a raiva daquele que é jogado para escanteio, tanto que Alex age com comportamentos previsíveis: o desespero de pedir para que ele fique com ela mais uma noite, os palavrões que o xingam em uma fita cassette, o ciúme exacerbado, a perseguição à família do amante na qual Alex se serve de chantagens, sequestro, invasões a domicílio, etc.






O uso da dramática música clássica de Madame Butterfly de Puccini, ópera que relata a história da gueixa Cio-Cio-San 'A Butterfly' que renuncia sua vida, sua nação, sua família, tudo para dedicar-se ao amor pelo tenente americano Pinkerton, o qual não quer nenhum compromisso sério com ela é um ótimo recurso metalinguístico e dramático para desenvolver a tragédia dessa relação casual. Assim como Pinkerton, Dan não tem intenção de manter Alex em sua vida. Como o final original que foi cortado, Alex se suicidou ao som da dramática ópera, assim como a desesperada gueixa o fez, porém aqui o desfecho foi alterado. O infortúnio de Alex Forrest, além de sua insanidade homicida-suicida, é saber que Dan não ficará com ela, e o pior, quanto mais ela o deseja e o persegue, mais ele a rechaza, a odeia. Alex Forrest não é somente uma psicopata, mas também é um exemplo legítimo das cotidianas amantes rejeitadas e vitimadas por momentos de intensa paixão, seguidos de humilhante rejeição e um inevitável descontrole psíquico que, juntos, fazem côro à 'paixão, ciúme, obsessão cegam'. Amantes que deveriam seguir a receita clássica pós coito casual com homens casados: 'Não se apaixonem', porque como o próprio Adrian Lyne fez em Infidelidade e faz aqui de novo: os amantes se dão mal, a harmonia familiar é restaurada.




Avaliação MaDame Lumière





Título Original: Fatal Attraction
Origem: EUA
Gênero(s): Thriller Erótico, Thriller psicológico, Drama
Duração: 119 min
Diretor(a): Adrian Lyne
Roteirista(s): James Dearden
Elenco: Glenn Close, Michael Douglas, Anne Archer, etc.



Já votou no MaDame no Top Blog 2010?

Celebre o Cinema
Vote no MaDame


Uma nova proposta de Blog de Cinema
para quem ama a sétima Arte
que reside na humana Arte de Viver!



3 comentários:

  1. Madame, ótima análise, acho que já fazia um tempo que não te via tão inspirada com um filme, você gosta mesmo de "Atração Fatal", hahaha, se bem que, não é para menos o filme é realmente uma delícia. Glenn Close, está INCRÍVEL, acho que esta é a única palavra que a define neste filme, as atitudes de Alex são muitas vezes inimagináveis, ela realmente enlouquece. Eu gostaria muito de ver o final original, mas gosto do 'outro final', acho que teve mais a ver com o enredo do filme.
    Enfim, ótima análise.

    Abs.

    ResponderExcluir
  2. Este filme é sensacional. Mostra como a atração, a paixão, a chama é levada às últimas consequências. Gosto pra caramba das performances da Glenn Close e do Michael Douglas. Os homens, aliás, deveriam aprender com o Michael Douglas.... Se traírem, podem cruzar com uma Alex Forrester da vida. rsrsrsrsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Excelente resgate de um tema que vc já tinha abordado aqui no Madame Lumière. Atração fatal é dessa riqueza que vc aventa mesmo. Um belo filme. Marcante e que influenciou demais a produção contemporânea.
    Bjs

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière