domingo, 15 de março de 2015

MaDame Series Opina: Orange is the new Black - 1ª Temporada (2013)

MaDame Series Opina
O momento fora de série
sobre Seriados de TV
por MaDame Lumière



 

Sobre Orange is the new Black - 1ª Temporada Orange is the new black é uma série americana do gênero comédia dramática, baseado no livro  Orange is my new Black, my year in a women's prison, de Piper Kerman. Criada em 2013 por Jenji Kohan e exibida pelo canal streaming Netflix, a série ocorre em uma prisão federal no qual Piper Chapman (Taylor Schilling), uma jovem bonita e bem educada, é presa por ter participado de um transporte de dinheiro oriundo do tráfico de drogas. Após ser denunciada pela ex-namorada Alex Vause ( Laura Prepon), ela vê o seu mundo mudar completamente. Com histórias marcantes e sensíveis de outras detentas e uma diversidade de etnias, procedências e experiências de vida, a série mostra o dia a dia da prisão, como sobrevivem, como se ajudam, se defendem contra abusos e injustiças e o que as levou a cometer os crimes.





Opinião Geral:  Essa série é incrível por variados motivos, dentre os quais um dos mais importantes é a sua perspectiva humanizada através de um senso de humor negro equilibrado com histórias reais e dramáticas e roteiros bem escritos e dinâmicos. A intenção da série não é mostrar a violência extrema e um clima pesado em uma prisão federal feminina, mas usar o gênero da comédia para contar grandes histórias de uma forma mais suave e não menos eficaz. É como utilizar o humor para falar de coisas sérias.

Por mais triste que sejam as realidades vivenciadas por essas mulheres,  a série se destaca pela sua articulação narrativa de conciliar humanidade com a diversidade das histórias, demonstrando que todos erram e todos são imperfeitos, até nas ditas "melhores famílias" como a de Piper Chapman, uma mulher inteligente, bonita e de nível cultural mais elevado. Mesmo sendo "bem nascida", ela foi condenada por cometer uma ação ilegal. Pagará por isso e essa fase lhe trará maturidade, assim como para as demais personagens afinal a série não oculta o quão agressivas  elas  foram e podem ser. Ao invés de criticar e estigmatizar a mulher presidiária, a série mostra que elas são como qualquer um, seres humanos.  Como ocorre nos históricos de muitas presidiárias, muitas da série foram parar na prisão por motivos muito recorrentes e normalmente movidos por emoções, contexto e condição sociais ou  más companhias  como roubo, drogas, vingança etc.


Embora Chapman seja uma protagonista essencial, a série tem outra excelente qualidade: todas as personagens têm protagonismo. Cada uma tem um estilo, uma origem, uma história, defeitos e qualidades. Podem ser perigosas em um momento e  oferecer ajuda e se arrepender por uma atitude em outro. Essa dinâmica comportamental é muito interessante e, em momentos chave, ela é comovente e realista. A construção da narrativa é eficiente ao alternar presente e passado entre planos e focar em alguns personagens por episódios, dessa forma, é exatamente essa diversidade de pessoas, histórias e grande elenco que faz Orange is the new black ter uma voz própria dentre as séries atuais. As mulheres precisam sobreviver ao período de condenação e , mesmo com suas diferenças, elas se entendem e aprendem sobre a convivência.  Elas são personagens muito cativantes, divertidas e autênticas e todas têm a oportunidade de cativar o público , com destaque para a  Taystee (Danielle Brooks),  Suzanne "Crazy Eyes" ( Uzo Aduba) e Sophia Burset (Laverne  Cox).


O crime está lá, os comportamentos hostis também e, inclusive, a hierarquia entre as presas e o abuso das autoridades. Essa prisão é um sistema  e ela tem um forma de funcionamento que fornece mensagens ao público. Há grupos de negras, latinas, brancas. Há tráfico de drogas e corrupção. Há mortes, brigas e intrigas. Há sexo, romance, mágoa e solidão. Essa riqueza de detalhes colocados em roteiros muito bem amarrados entre episódios e excelente edição oferecem uma série que não promove só o riso pelo riso, pelo contrário, faz o público pensar sobre como é a experiência e vida dessas mulheres.


Contra(s): Seria bom explorar mais as personagens ligadas às autoridades da prisão, que não são tão fortes como as detentas. Ainda que o foco sejam as mulheres presas, explorar as situações de confronto entre elas e quem comanda pode mostrar ao público outras camadas dos conflitos e desafios encontrados nas prisões femininas.


Cena(s) imperdível(is):  Cena com Taystee (episódio 9), entrevista de Larry no rádio e emoções provocadas nas detentas (episódio 11) e apresentação musical e cena final da temporada  (episódio 13).


Por que você deve assistí-la?  a comédia tem frescor e um mood agradável mesmo tratando assuntos sérios de forma mainstream, o elenco é de primeira e divertido e as histórias são tratadas com humanidade e com camaradagem.

 

Até o próximo MaDame Series Opina
com outras grandes séries


Avaliação MaDame Lumière 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière