sábado, 31 de dezembro de 2011

Rapidinhas no MaDame: Qual seu Número? (What is your number?) - 2011


Rapidinhas no MaDame:
Porque o que importa é o prazer da Cinefilia





Sobre a história: Ally Darling (Anna Faris) é uma jovem solteira que lê na revista feminina Marie Claire que "mulheres que já tiveram 20 ou mais parceiros sexuais têm mais chance de ficarem sozinhas para sempre". Quando ela percebe que já transou com 19 caras, ela decide não transar mais e localizar seus ex-namorados para ver se deixou passar o "homem de sua vida". Para ajudá-la na busca pelos ex, ela conta com a ajuda de seu vizinho bonitão, o músico desempregado Colin Shea (Chris Evans).

Opinião Geral sobre o filme: Uma comédia romântica ligeira que, por trás da superficialidade do seu tema sexual e do desespero de uma mulher voltar ao passado para buscar um amor, faz refletir sobre a questão da aceitação do outro, principalmente de uma mulher que já transou com vários homens e que, no mundo real, seria considerada "a promíscua" em um mundo ainda machista. O filme vale a pena mais por esta reflexão temática: o de aceitar o outro com seu relatório sexual extenso do que propriamente pelos atributos de roteiro e direção do longa. Para o gênero, a narrativa ainda é fraca. Segue os moldes da comédia romântica no qual uma mulher não consegue ver que sua felicidade afetiva está perante seus olhos, envolve-se com o galã da história rapidamente, briga com o mesmo e depois percebe que ele é o cara certo. Anna Faris segura mais a atuação, embora parece forçar sua interpretação para ser engraçada. Chris Evans é mais um rosto e corpo bonitos e, como ator, ele ainda não convence.

O prazer: O filme aborda algo muito importante nas relações amorosas: a pessoa tem que ser ela mesma e ser amada pelo que ela é e não pelo que ela fez no passado.

O desprazer: Roteiro ruim. Protagonistas idem. Anna Faris e Chris Evans não tem tanto carisma e nem química para fazer brilhar aos olhos esta comédia romântica e torná-la realmente cativante e inesquecível. Como casal, não funcionou!

Por que vale a rapidinha? Por fazer acreditar que o amor existe e que há alguém que nos aceita pelo que somos, com erros e acertos, defeitos e qualidades. Também traz à tona que nem sempre o parceiro mais bem sucedido é aquele que serve para a gente.

Rendimento:

3 comentários:

  1. Adorei esse modo seu de postar. Ficou bacana, rápido e mais fácil de entender sobre o filme.

    Gosto dessas comédias românticas bobinhas, então talvez eu veja essa um dia, mas claro... Esse filme não é prioridade...

    Madame, tenha um feliz Ano Novo e que 2012 seja esplêndido pra você!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Não havia visto essa "coluna" por aqui, mas gostei do modelo. Prático, objetivo, claro. Quando ao filme, não assisti e nem pretendo. Me pareceu, mesmo depois do seu texto, apenas mais uma comédia-romântica de Hollywood, o que não me atrai muito!

    ResponderExcluir
  3. Oi queridos, obrigada pela visita.

    Optei por um modelo mais prático para falar de alguns filmes mais despretensiosos, afinal, nem sempre dá tempo de assistir e postar de imediato. Acho que este formato me ajudará a opinar sobre alguns filmes mais de "entretenimento".
    Abraços,
    Madame

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière