segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Etiqueta no Cinema: Desligue o celular!




Quem é cinéfilo dos bons, sabe que ir ao Cinema está se tornando um drama. Daria para rodar as situações como se fossem um filme do gênero, até mesmo, desenvolvê-las como uma tragedia, um bang bang, um terror, com vontade de eliminar os incivilizados da sala de exibição bem a la Tarantino ou Chuck Norris. Pois é, estava eu lendo o novo livro de Danuza Leão, o divertido Tudo é tão simples, e vi que nem ela suporta mais ir ao Cinema, exatamente porque é difícil conviver com gente mal educada que torna este prazer um desprazer, ou no mínimo, um epico dramático sobre a falta de respeito. Concluí que está cada vez mais difícil ir ao Cinema e ter que virar em direção à cara da pessoa inconveniente para ver se ela se "toca" de que a sala de exibição é um ambiente de entretenimento coletivo, para relaxar e ser feliz respeitando o espaço e bem estar do outro.

Dias destes, em uma jornada antropológica de observação do comportamento humano no Cinema, percebi quem é o novo inimigo dos bons cinéfilos e, pasmem, acreditem que é o celular quando tem o infeliz destino de ter sido adotado por um espectador sem noção da etiqueta no Cinema. Aquele smartphone bacana que apreciamos é mal terrível nas mãos dos espectadores que não sabem desligá-lo enquanto está assistindo a um filme. Os celulares dos donos mal educados emitem aquela luz irritante em pleno escurinho do Cinema e refletem bem na nossa cara ou na vizinhança, como se tivesse caído um cometa na sala ou pousado um E.T. Spielberguiano em uma nave espacial. Pior é aquele engomadinho que a cada 10 minutos, olha para a tela iluminada de seu blackberry ou Iphone, tenta esconder com a mão o visor do aparelho para não refletir a luz no rosto de quem está sentado atras dele. Por que tanto esforço para disfarçar esta desagradável atitude se ele já está atrapalhando?


Não podemos esquecer daquela garota que está sentada ao lado do namorado falante, aquele mesmo que está segurando um lanche McDonalds, prestes a derramar mostarda ou deixar algum picles na poltrona, além de fazer a clássica sonoplastia do saco de papel sendo amassado. Enfim, além de ter um namorado desta especie, esta "gracinha" de garota tem que ter um lazer diferenciado porque ela se acha a estrela Hollywoodiana da sala e opta pela versão "diversão casada": Cinema e Twitter, para desespero de quem sentou-se próximo a ela e não quer vê-la tuitando como se fosse Demi Moore e aquele clarão do visor do celular a um palmo de distância.

Os cinemas deveriam fazer uma campanha de conscientização sobre Educação no Cinema. Está ficando cada dia pior frequentar um Cinema em um final de semana, por exemplo. Exibir aquele trailer do "desligue o celular" já não está sendo mais suficiente, mesmo porque, durante o trailer, as pessoas estão mais tagarelando do que prestando atenção na tela. E para você, que adora a luz cintilante do visor do seu celular, ela pode ser mais linda do que o brilho das estrelas e do que os olhos da sua atriz ou ator favorito (a), mas desligue-o! A Sétima Arte agradece.


5 comentários:

  1. Celular é inimigo dos cinéfilos, dos que apreciam uma boa peça, dos que gostam de um bom show. Tem gente, simplesmente, que não consegue deixar seu smartphone de lado por 2h sequer, no decorrer da apresentação cultural. O que é uma pena. Eu apoio essa sua campanha! :)

    ResponderExcluir
  2. Kamila,

    Exato! As pessoas não conseguem se desligar nem na hora do filme ou durante uma ida ao restaurante. Um absurdo como dependem deste aparelho e não se desligam para curtir o momento.
    Abs,
    MaDame

    ResponderExcluir
  3. Lindo Darling. Acho ótimo e válido você escrever um texto de conscientização. O celular é o vilão das salas de cinema. Outro fato: não estou gostando de todas as redes de cinema (Cinemark no caso) de adotarem o "Lugar Reservado". Detesto isso no cinema, funciona melhor em um show do Roberto Carlos ou numa peça da Broadway. Odeio com todas as forças ter que me sentar ao lado de pessoas que não conheço e não ter o prazer de me levantar e me sentar em outra poltrona. 1- o cinema é cheio; 2- mesmo se o cinema não estiver cheio você pode calhar de sentar numa poltrona já reservada de alguém que chegou atrasado e 3- você quer se levantar porque tem um casal indo “longe demais” ao seu lado. Aconteceu isso recentemente comigo na sessão de “Contágio”, justo neste filme que trata de tosses e contaminação, rs! Sala lotada e eu tendo que suportar uma dupla incômoda. Eu falei? Sim! Tive que cutucar a menina que pediu desculpas, mas a merda já estava feita. Pois bem, além do dito cujo celular emitindo as luzes das naves UFOS do Spielberg, tem os tagarelas bem do seu lado com essa falta de etiqueta e exemplo de má educação! Podemos fazer uma lista e mandar tudo para uma campanha que a Amanda do Cine Pipoca Cult já fez: SEJA EDUCADO. CINEMA É LUGAR SAGRADO!

    Vou compartilhar esse belo aviso nas Redes Sociais!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. rsrs. A sétima arte agradece mesmo. Me lembro de um outro post seu nesse mesmo espírito sobre dez atitudes que se deveria ter no cinema. Realmente, com acesso à internet pelos celulares, essa é a indiscrição número 1 em uma sala de cinema.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Madame, aconteceu comigo experiência parecida!
    Fui assistir ao último Harry Potter que fiquei esperando semanas para ir. Fui com um grupo de amigos e justo no momento mais emocionante do filme quando ia bater aquele choro, minha colega ao lado ligou o celular e começou a trocar msgs com o ficante dela! Ela saiu com o braço doído de tanto que cutuquei, mas a emoção do filme já tinha ido toda embora... =/

    Beijos

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière