domingo, 15 de maio de 2016

Especial Cannes: 10 Dramas com mulheres fortes e inspiradoras

MaDame Listas
Especial Festival de Cannes
por Cristiane Costa




Festival de Cannes, um dos mais luxuosos eventos de Cinema está em realização, de 11 a 22 de Maio em sua 69ª edição. Reconhecido como uma das mecas do Cinema, o Festival   carrega o status  do "glamour" e da "Arte" do Cinema mais independente, através da divulgação e premiação de excelentes filmes mais enfocados no Cinema não comercial, colocando em foco diretores autorais, muitos dos quais já estabelecidos por excelentes produções e prêmios nesse circuito. 

Esse ano, concorrendo à Palma de Ouro, a competição está acirrada, com determinadas expectativas do blog em "Elle" de Paul Verhoeven, "The Handmaid" de Park Chan-Wook, " La Fille Inconnue" dos Dardenne, "Ma Loute" de Bruno Dummont, "I, Daniel Blake" de Ken Loach, "Aquarius" de Kleber Mendonça Filho,  entre outros. Com tantos diretores de peso, não faltarão interessantes temáticas exploradas nesses filmes que estão por vir ao Brasil.

O MaDame Lumière não poderia deixar de fazer uma homenagem a um dos festivais de Cinema mais importantes do mundo e realizou uma seleção especial de filmes reconhecidos em outras edições especialmente para você escolher e assistir esses imperdíveis longas. 

Boa sessão! 

MaDame Lumière





Dir: Ronit Elkabetz, Shlomi Elkabetz. Cannes 2014.
Personagem: Viviane Amsalem (Ronit Elkabetz)

A produtora, roteirista, diretora  e atriz Israelense Ronit Elkabetz  foi uma das mais tristes perdas do cinema esse ano. Uma mulher ativista e polivalente no Cinema, principalmente com a opressão sofrida pela mulher em seu país. Aqui ela nos deixa um contundente filme à altura de seu provocativo talento. Tudo que Viviane Amsalem quer é o divórcio e seguir sua vida. É o seu direito! Mas ela vive a opressão do marido e dos homens da comunidade e da justiça. 





Dir: Tony Gatlif. Cannes 2014.
Personagem: Geronimo  (Céline Sallette)

Conviver em um ambiente ou entorno violento não é missão para qualquer mulher, principalmente em um contexto social e étnico no qual diferentes grupos se odeiam e entram em conflito, entretanto, Geronimo é daquelas  educadoras que lutam pela harmonia, pelo amor , pela paz. Ela não baixa a cabeça.  Nem sempre o destino será justo com os educadores, mas a inspiração de Geronimo permanece eterna no Cinema.




Dir: Marie Amachöukeli, Claire Burger, Samuel Theis. Cannes 2014.
Personagem: Angélique (Angélique Litzenburger)


Os anos passam e a essência de uma mulher não muda, ela apenas se fortalece, fica mais evidente. Isso explica porque Angélique é tão realista e inspiradora. Ela não se nega. Ela não perde sua individualidade por causa de um homem e nem por causa de seus filhos. Em uma sociedade na qual a mulher é perseguida a abrir mão de sua individualidade e potencial em vários momentos, Angélique não tem vergonha de ser quem é.





Dir: Naomi Kawase. Cannes 2015.
Personagem: Tokue (Kirin Kiki)

Em uma sociedade que, na maioria das vezes, é cruel com os idosos, esse filme é um bálsamo para a alma ao não esconder que há um preconceito, mas que a gratidão, a amizade, o afeto, o trabalho e a vontade de viver estão acima de qualquer crueldade humana. Tokue é uma idosa que sabe fazer uma deliciosa pasta de feijão e começa a trabalhar em um comércio que vende Dorayakis. Seu talento espalha alegria na cozinha e sabor à vida. Ela está imune ao preconceito dos outros ao ter uma doença incurável? Não.  Todos temos que provar o amargo sabor da vida também, por isso, o filme é uma poesia sensorial e honesta.




Dir:  Alice Rohrwacher . Cannes 2014
Personagem: Gelsomina (Maria Alexandra Lungu)


Gelsomina tem nome de sonho Italiano? Sim e muito mais no filme que venceu o Grande prêmio do Júri em Cannes 2014. Gelsomina é uma garota leal à família, que trabalha duro na produção de mel em uma bucólica região Italiana, que segue a vida com humildade. Gelsomina não conhece as seduções da cidade grande, não namora, não tem amigos, mas ela tem um sonho e mostra para o público que nunca devemos parar de sonhar e nem de esquecer as nossas raízes.



5º Minha mãe  (Mia Madre)
Dir: Nanny Moretti. Cannes 2015.
Personagem: Margherita (Margherita Buy)


Margherita é uma diretora de cinema que dirige seu filme dentro do próprio filme de Moretti. Seria a sombra do diretor? Seria uma homenagem á mãe do diretor? Muito mais do que isso. Mia Madre é um filme que faz a gente se colocar no lugar de Margherita. Quantos de nós somos tão ocupados ou deixamos de dar a atenção devida a nossas mães? Quantos de nós sentimos saudades de nossas mães ou figuras maternas? Mia Madre enche o peito de amor materno.




4º Carol (Carol)
Dir: Todd Haynes. Cannes 2015.
Personagem: Carol (Cate Blanchett)


Um filme sobre um amor verdadeiro, uma doação a um sentimento único que invade o coração e faz a mulher encarar qualquer preconceito, qualquer impedimento. Carol se apaixona por Therese. Carol tem que enfrentar a fúria de seu ex marido que quer afastá-la de sua filha. Carol vive o amor, e essa aventura é lindamente retratada na tela grande além da orientação sexual , porque é  um amor que qualquer um de nós gostaríamos de viver.



3º Ferrugem e Osso (De rouille et d'os)
Dir: Jacques Audiard. Cannes 2012
Personagem: Stéphanie (Marion Cotillard)

Recomeçar a vida após vê-la afetada por um acidente não é missão para qualquer mulher. Stéphanie, uma mulher jovem, bonita e talentosa viu seu mundo cair após um acidente de trabalho, mas ela acreditou em si e  em um homem que não teve preconceito contra ela. De uma maneira belíssima, uma história de amor não idealizada nasceu nesse imperdível filme.





2º Mommy (Mommy)
Dir: Xavier Dolan. Cannes 2014.
Personagem: Diane (Anne Dorval)

Dizem que ser mãe é "padecer no paraíso". Certamente! Mas também é passar por alguns momentos conflituosos com os filhos. Diane é uma mãe solteira que tem um filho com transtornos afetivos, rebelde e violento. Mesmo convivendo com traumáticas circunstâncias, o amor entre ambos existe e é essa imperfeição da relação que deixa o filme mais dramático e honesto.




Dir: Jean - Pierre e Luc Dardenne. Cannes 2014
Personagem: Sandra (Marion Cotillard)

Um drama comovente sobre uma mulher lutando para manter o emprego. Sua determinação, necessária exposição aos colegas de trabalho e o peso de um histórico de transtorno depressivo transformam Sandra em uma mulher de coragem, mesmo com as evidências de seu frágil estado e toda a humilhação.



Um comentário:

  1. Bela seleção, Madame! A Marion é mesmo uma das mais discutidas e acho certo colocá-la em evidência, mesmo que seja predileção. Não me lembro, mas "Piaf" não fez parte dos indicados a Cannes? Bom, a lista é ótima. Alguns eu preciso ver e outros rever como "Carol", que não gostei muito numa primeira sessão. Estou ansioso para conferir "Elle" e "Aquarius", dos que estão competindo os que fiquei mais interessado de imediato, embora qualquer filme do Park Chan-Wook também não deva ficar de fora! Ontem eu assisti a Conférence de Presse com ele e elenco.

    Bjos.

    Rodrigo Curator

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière