terça-feira, 26 de abril de 2016

O Escaravelho do diabo (2015), de Carlo Milani




Por Cristiane Costa,  Editora e crítica de Cinema MaDame Lumière e Especialista em Comunicação Empresarial 



Adaptações de livros para o Cinema costumam agradar ao conciliar esses dois formatos em uma obra para entretenimento. Para quem ama Literatura, ficção e não ficção, ver a execução de um roteiro adaptado, inicialmente, desperta o interesse, posteriormente pode representar satisfação ou decepção. Independente de acertos ou erros nessa fusão criativa de Literatura e audiovisual, o Cinema é uma seara ampla e fértil para adaptações e nunca faltarão interessados, em especial quando se resgata um importante elemento de atração para esses filmes: a nostalgia. 






Esse ano o diretor Carlo Milani lançou seu primeiro longa-metragem, "O Escaravelho do diabo", que foi aguardado exatamente  por resgatar esse elemento nostálgico. É uma história bem conhecida no universo da Literatura infanto-juvenil no Brasil e vê-la na Tela Grande faz com que a memória afetiva volte à época do colégio, com as leituras recomendadas pela professora de português e trocadas entre amigos e as tardes silenciosas  na biblioteca. A obra escrita pela jornalista Lúcia Machado Almeida é um clássico da emblemática coleção Vagalume da editora Ática, histórias que marcaram a adolescência de muitas gerações como "O rapto do garoto de ouro" e "O mistério do cinco estrelas".


Com adaptação da experiente roteirista Melanie Dimantas ("Meu pé de laranja lima") e de Ronaldo Santos, o filme reacende as lembranças dos primeiros livros de suspense que conciliavam um espírito de curiosidade, aventura, heroísmo e amizade na Literatura infanto-juvenil da Vagalume e, adiciona temas mais obscuros como a morte, a vingança e o bullying.




Na história, a cidadezinha de Vale das Flores vive um momento aterrorizante com a ação de um serial killer que utiliza um padrão peculiar: apenas pessoas ruivas são assassinadas. Antes de serem mortas, recebem uma caixinha com um escaravelho. O  primeiro crime tem como vítima Hugo Maltese (Cirillo Luna), morto em ambiente doméstico e de forma muito abrupta e violenta. Seu irmão, o garoto Alberto Maltese (Thiago Rossetti), tomado por grande tristeza e senso de justiça decide investigar detalhes dos crimes e conta com o delegado Pimentel (Marcos Caruso).

                                     


Como obra audiovisual, além do resgaste da nostalgia , o filme acerta em criar uma obra que mescla bem a violência com uma certa leveza narrativa. Existe uma fotografia que ressalta a faceta cult da obra, com a beleza dos personagens ruivos, as referências do horror com o uso de insetos e de um serial killer deformado e misterioso, mas também é possível observar que há o desabrochar do personagem Alberto Maltese, um jovem carismático, amoroso e corajoso que está disposto a defender sua família, amigos e comunidade. 




Não se pode esquecer que essa é uma obra infanto-juvenil que, ainda hoje, é lida por adolescentes. É claro que o jovem moderno não é mais inocente ainda que o filme preserve a ingenuidade, a docilidade de Alberto. O adolescente atual está acostumado a ver filmes violentos de super heróis, suspenses de ação, aventuras macabras, entre outros, mesmo assim, o diretor insistiu em preservar um approach ingênuo e curioso no jovem. Assim, a marca forte de "O escaravelho do diabo" é seu valor literário como obra que guarda uma combinação de inocência com o revelar de um mundo brutal. Sim, as crianças também são violentas e cometem erros com os seus coleguinhas! Só que essa violência psicológica é sutil no filme porque ela cresce na figura do que o assassino representa: um adulto brutal e vingativo com traumas passados, ou seja, uma criança que se tornou um ser humano ruim.





Embora o roteiro tenha mantido essa suavidade narrativa e é bem apoiado na execução pela fotografia de Pedro Farkas e a direção de arte de Valdy Lopes que retratam muito bem esse ambiente interiorano de Vale das Flores e a variedade na forma que as mortes acontecem, suportada por referências visuais do gênero horror/suspense, o filme não é nem apaixonante e nem intenso nas emoções dos personagens. A violência está lá, só que ela é mais plástica e desencadeada por uma sucessão de eventos que, em si, não vão entregar um intrigante processo de investigação e muito menos uma arrebatadora aventura juvenil. Por conta disso, o último ato é concluído de maneira apressada, os personagens não são bem desenvolvidos e o ritmo é lento. 


É um filme visualmente bem produzido, que é fiel às virtudes citadas e tem um toque de humor, entretanto, a direção opta por não torná-lo muito obscuro, emocional. Ela foi conservadora e realiza um filme mais direcionado para o público de  pré-adolescentes ou para resgatar a memória afetiva de quem leu o livro na adolescência. Opta por preservá-lo como  uma  brincadeira juvenil, uma ficção que só encontra a sua melhor manifestação nas aventuras imaginárias de uma leitura.





Ficha técnica do filme Imdb O Escaravelho do diabo 

2 comentários:

  1. Lembro-me muito bem da série vagalume. Lia este e "Os Assassinatos da Rua Morgue", de Edgar Allan Poe, de outra série de livros, na mesma época da escola. Saudades deste tempo. Ainda preciso conferir o filme, Cris, uma pena que é apenas okay. E você diz que a direção foi conservadora. Ademais, é bem produzido. Menos mal...cinema é transmutação, quem espera fidelidade ao pé da letra, não entende e se frustra. O grande problema do público perante filmes adaptados.

    Belo texto.
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Curator, obrigada pela visita. O filme tem uma pegada cool. Em termos de cinematografia, tem um mood bem adequado a uma história juvenil e com essa missão de despertar a memória afetiva. Uma diversão leve! Acredito que nem toda adaptação precisa ser ao pé da letra.

      Beijos!

      Excluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière