terça-feira, 8 de março de 2011

Dia Internacional da Mulher: 10 Inspiradoras Diretoras de Cinema, 10 Filmes para Todas as Mulheres

Susane Bier: mulher vencedora do Oscar 2011,
melhor fillme estrangeiro: Em um mundo melhor


No Dia Internacional da Mulher, não poderia deixar de homenagear as mulheres do Cinema, especialmente as cineastas que são jóias raras em um universo cinematográfico dominado pelos homens, em um mercado de trabalho que ainda evolúe em oferecer melhores oportunidades profissionais para ambos os sexos. Apesar dos desafios, o Cinema cresce e faz história entre mulheres que se esforçam continuamente para nos trazer a Sétima Arte. Para minha vibrante comemoração, após uma análise de uma lista extensa de diretoras reconhecidas pelo seu talento, concluí que falta espaço nessa postagem para mencionar todas, o que significa um bom sinal, o de que a mulher faz a diferença no Cinema. Priorizei 10 delas em função de 10 bons filmes que também falam de mulheres e para mulheres, um das premissas para compor minha homenagem cinéfila nesse dia especial.

Kathryn Bigelow: Vencedora por Guerra ao Terror. No campo de batalha do Cinema, gosta de adrenalina e aprecia temas masculinos como o militar.


A festiva verdade é que motivos de sobra para celebrar o fato de que temos grandes mulheres na liderança de premiados filmes, principalmente porque ainda vivemos em um mundo muito machista na competitiva seara profissional , o qual ainda tem muito a fazer pelo bem da diversidade, em todos os seus âmbitos e desafios. Além disso, estou muito feliz por termos tantas diretoras Brasileiras em crescente ascensão, em especial, as da pós-retomada como Carla Camuratti, Lina Chamie, Rosane Svartman, Tatá Amaral, etc. Após a vibrante vitória de Kathryn Bigelow no Oscar 2010, como melhor diretora por seu premiado Guerra ao Terror e como primeira cineasta a ganhar um Oscar na categoria, além da premiação no Oscar 2011 de uma das melhores diretoras do momento, Susane Bier, pelo seu magnífico trabalho em Em um mundo melhor, o que posso dizer-lhes é que esses prêmios são somente o reconhecimento público de algo mais profundo que temos visto na História do Cinema Moderno: mulheres em ação na frente e por trás das câmeras, excepcionais em seus trabalhos e tão necessárias umas às outras ( e aos homens também) da pré produção à finalização de filmes. A todas às mulheres, um feliz dia da mulher com muito Cinema, todos os dias!


10. Feo Aladag

Feo é estreante na direção de longas mestragens. Sua estreia é a realização do drama Quando Partimos (Die Fremde), selecionado como o candidato alemão ao Oscar 2011, reconhecido na Mostra de Cinema de SP como vencedor do Troféu Bandeira Paulista 2010 . O filme é comovente e profundo, um retrato da opressão sofrida por uma mullher de família turca, no casamento e pelos familiares. Feo é muito mais do que uma jovem cineasta, ela é uma mulher engajada em temas densos como a violência contra a mulher. Toda mulher precisa assistir: Quando partimos

9. Nora Ephron

O romance sempre está no ar com Nora Ephron. Conhecida por suas comédias românticas, um dos gêneros favoritos das mulheres, ela é conhecida por assinar a direção de Sintonia de Amor e Mensagem para Você e o roteiro de Harry e Sally - feitos um para o outro. A cineasta ficou um período distante dos sets e retornou com o recente Julie & Julia, a inspiradora história 'gastronômica' de Julia Child.
Toda mulher precisa assistir: Julie & Julia


8. Nicole Holofcener

Como boa Nova Yorkina, Nicole entende das neuras das mulheres modernas, é como uma cineasta antropóloga, de olhar feminino, que tem Woody Allen como inspiração. Com um background em TV, assinando trabalhos em séries famosas como A Sete Palmos e Sex and the city, Nicole tem um estilo cool e independente. Toda mulher precisa assistir: Sentimento de Culpa




7. Lisa Cholodenko

Com High Art e Laurel Canyon no currículo, Lisa está entre as atuais e emergentes realizadoras do Cinema independente Americano. Recentemente obteve um excelente êxito com Minhas Mães e meu pai (The Kids are all right), indicado ao Globo de Ouro e Oscar em 2011 e que enfoca uma família contemporânea formada por um casal de mulheres homossexuais às voltas com os conflitos afetivos, como a criação dos filhos. Toda mulher precisa assistir: Minhas mães e meu pai




6. Sandra Werneck

Sandra é uma das grandes produtoras e diretoras do Cinema Brasileiro, com trabalhos que se dividem entre o amor e a dor, basta lembrar de suas comédias românticas como Pequeno dicionário amoroso e Amores Possíveis e, por outro lado, trabalhos comoventes como Cazuza - O tempo não para. Nos últimos trabalhos, mais socialmente engajados, como o documentário Meninas e longa Sonhos Roubados, ela tem enfocado as jovens mulheres de comunidades carentes. Toda mulher precisa assistir: Sonhos Roubados






5. Mira Nair

Mira é um nome de respeito no Cinema Indiano e renomada internacionalmente. Com trabalhos também americanizados como Feira das Vaidades e Amélia, ela honrou o valor do Cinema Bollywoodiano e gosta de enfocar fortes mulheres em suas produções. Mesmo com os desafios às convencionais tradições de sua própria cultura, é uma cineasta muito bem sucedida que venceu, de forma inédita, o Leão de Ouro no Festival de Veneza e, desde Salaam Bombay, já era engajada com as questões sociais da Índia. Toda mulher precisa assistir: Um casamento à indiana





4. Nancy Meyers

Nancy é uma das cineastas mais exemplares e dedicadas para falar sobre o universo feminino, praticamente uma antropóloga e psicóloga das mulheres em filmes como O Amor não tira férias e Simplesmente Complicado, além de ter um senso de humor delicioso para tratar questões que não são mero clichê afetivo de mulheres carentes e, sim, a dinâmica dos relacionamentos maduros como eles se apresentam. Nancy Meyers fala para mulheres e para homens que precisam entender de mulheres. Toda mulher precisa assistir: Alguém tem que ceder





3. Sofia Coppola

A famosa filha de Francis Ford Coppola é a cineasta da melancolia e do tédio, assim como a do apurado e contemplativo senso estético, que tem bom gosto até na trilha musical e nos belos figurinos. Sofia Coppola provou que não é só a filhinha do The Godfather do Cinema, mas uma diretora que abordou em Virgens Suicidas, Maria Antonieta e Encontros e Desencontros temas muito relacionados à mulher como a virgindade, a emancipação feminina, a liberdade, a solidão. Toda mulher precisa assistir: As Virgens Suicidas



2. Laís Bodanzky

A cada nova realização, Laís tem sido o orgulho do Cinema Nacional, uma cineasta de atitude que já se lançou nos longas-metragem, com pulso firme, ao realizar o pertubador O Bicho de Sete Cabeças. Recentemente presenteou a audiência com As Melhores Coisas do Mundo, um atual (e nostálgico) retrato da adolescência. Com Chega de Saudade, Laís traz a dança de salão, um prazer adorado por várias mulheres e, são as mulheres do filme, cada uma em sua particularidade, que tornam o filme bem humorado, um ótimo entretenimento made in Brazil. Toda mulher precisa assistir: Chega de Saudade





1. Jane Campion

Jane Campion é expert em filmes com belas e dramáticas personagens femininas e o sentimento do amor, além de seu talento em transportar o público para outras épocas através de sublimes imagens. Seu premiado O Piano, ganhador de Oscar, César e Palma de Ouro e o mais recente Brilho de uma paixão (Bright Star) indicam que ela é uma cineasta em perfeita harmonia com as emoções femininas. Toda mulher precisa assistir: O Piano

4 comentários:

  1. Bela homenagem! Parabéns pelo nosso dia! :)

    ResponderExcluir
  2. Linda homenagem! Parabéns atrasado pelo nosso dia! :)

    ResponderExcluir
  3. Obrigada queridas e parabéns para o nosso dia, todos os dias, somos mulheres blogueiras de Cinema :>)))))

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière