quinta-feira, 6 de julho de 2017

Cine Família: Uma Família de Dois ( Demain Tout Commence) - 2016






Por Cristiane Costa,  Editora e crítica de Cinema MaDame Lumière e Especialista em Comunicação 




Nesses tempos modernos, o conceito de família tem sido discutido à luz da evolução do tema em relacionamentos homo afetivos, em mulheres que optam pela maternidade independente, em avós que criam seus netos como filhos, entre outras configurações de família. Afinal, o que é uma família? Ela tem um valor muito mais amplo que as diferenças e polêmicas a seu respeito. Podemos dizer algumas palavras essenciais sobre família: afeto, amor incondicional e dedicação. 




Distribuído pela Paris filmes e destaque na edição 2017 do Festival Varilux de Cinema Francês, o filme de Hugo Gélin, "Uma família de Dois" (Demain tout commence), estrelado por Omar Sy e Gloria Colston, tem de tudo para conquistar o afeto da plateia exatamente por explorar esse tema. Trata de uma família que se formou a partir do pai e da filha. Samuel (Sy)  curtia  a vida de solteiro sem qualquer responsabilidade em uma França ensolarada. Descobre-se pai de Glória (Colston) quando sua ex-namorada Kristin (Clémence Poésy) abandona a filha em seus braços. Viaja a Londres na tentativa de encontrar a mãe da criança, porém sem sucesso. Acaba morando na cidade e cuidando da filha.




Como uma comédia dramática, a projeção ganha espaço à medida que o roteiro desenvolve cenas que se dividem entre o carisma e conexão de Samuel e Gloria, mas também as perguntas sobre a  mãe que a garota realiza. De uma maneira muito simpática, Omar Sy exerce seu costumeiro bom humor e o estilo de um pai jovem e um tanto descolado, que trabalha como dublê de ator de ação (o que compõe um aspecto heroico e lúdico do pai super protetor), que vive em um mundo de fantasia e autopreservação da filha, que tenta esquivar-se ao máximo de qualquer sofrimento à Gloria. A energia entre ele e a excelente atriz mirim é encantadora. A presença do amigo homossexual Bernie (Antoine Bertrand) adiciona um significado especial de humor, amizade e lealdade, pois ele também faz parte dessa família e apoiou Samuel quando ele mais precisava. 







São essas evidências que se convertem em traços sensíveis da história. Imediatamente, o desenrolar dos fatos demonstra que existe um cuidado paterno extraordinário e uma dose de preocupação quando um pai cria o filho sozinho, o que é comum e compreensível.  Outro aspecto é a importância de haver respeito entre os pais, ainda que o relacionamento não tenha dado certo e o valor da parentalidade. Em diversas situações, mesmo que os roteiristas se percam nas cenas mais conflituosas entre Samuel e Kristin e entrelaçam escolhas mais condescendentes que realistas quando o assunto é o conflito entre eles , "Uma família de Dois" tem uma ternura especial que não cabe na tela, que explode em emoções no coração de quem vê e se sensibiliza com a historia, que perdoa e acredita em segunda chance e transformação. o desfecho é uma prova de que a família é quem guardamos no peito e nos acrescenta afeto para ser uma pessoa melhor. Comovente!





Ficha técnica do filme ImDB Uma família de dois

Fotos: uma cortesia, Paris Filmes

Lançamento no Brasil: 29 de Junho de 2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière