quinta-feira, 27 de julho de 2017

A economia do amor (L'économie du couple, 2016), de Joachim Lafosse




Por Cristiane Costa,  Editora e crítica de Cinema, especialista em Comunicação 


Há quem diga que um casamento não sobrevive à falta de dinheiro. Faz sentido. Independente do idealismo romântico, do amor e da confiança, problemas financeiros costumam desgastar a vida de um casal e exigir um alto nível de cumplicidade, paciência e jogo de cintura. Por outro lado, essa mesma falta de dinheiro pode surpreender os amantes, amadurecendo a relação com o fortalecimento conjugal em tempos sombrios.  Em "A economia do amor", o realizador belga Joachim Lafosse mostra um outro lado do problema financeiro em um casamento destruído: o conflito pós divórcio na hora de compartilhar os bens.

Protagonizado por Bérénice Bejo e Cédrik Kahn, o longa conta a história de Marie e Boris, pais de gêmeas, recém separados e  vivem sob o mesmo teto. Ela comprou a casa, porém ele pagou pela reforma e valorizou o imóvel. Não concordam com a partilha da casa por divergências financeiras. Vivenciam um cotidiano caótico em uma opressora batalha no lar. Desavenças, magoas e diferenças são colocadas como uma arma afiada constantemente pronta para ferir, humilhar. Não abrem mão do orgulho, não dão espaço ao diálogo. Neste núcleo familiar claustrofóbico e em ruínas, o conflito é angustiante para eles e para a plateia.





Lafosse opta por levar ao máximo o conflito do ex-casal  a ponto de oprimir a quem assiste ao filme  e mostrar o quão desgastante e doloroso é estar em uma relação que já é insuportável, porém, ele não entrega uma dramaturgia complexa e sofisticada em diálogos e situações em geral como conflitos entre casal em longas como "Meu Rei" (de Maïwenn). Lafosse dirige as cenas com mais embate verbal, imediatismo e explosão das emoções, desta forma, o espectador vê um casal barulhento que, em muitas situações, age de forma mimada e pouco adulta. 


Essa mise en scène sufocante se complementa com a caracterização dura, inflexível dos personagens, principalmente de Bérénice Bejo, que incorporou a mulher que não ama mais o marido. Sua postura rígida e tensa se torna uma faca de dois gumes na sua performance. Por Marie ser uma personagem tão reativa, profundamente incomodada, sua atuação é endurecida. Esta rigidez não a deixa natural, não a relaxa. Por outro lado, Cédric Kahn é menos rígido na atuação. Consegue demonstrar mais suas dificuldades de estabelecer diálogos e rapport, a posição do homem que se sente humilhado (inclusive, financeiramente) e as falhas como pai e marido. 





"A economia do amor" é um recorte muito específico do diretor para estressar o pouco que sobrou desse amor, então vale a pena ser visto mesmo sendo angustiante e ruidoso de várias formas. Como Cinema, sua melhor virtude está em mostrar a incomunicabilidade de muitos separados e divorciados e como é desafiador por um fim na relação e preservar  algum respeito, afeto. Mesmo em meio a tantas brigas e verborragia entre Marie e Boris, eles não se comunicam. As palavras machucam e pouco acrescentam e ajudam na convivência. É este o aprendizado maior : A economia não é sobre dinheiro, o valor da casa e dos demais bens, estamos diante de um filme que fala muito mais sobre a economia do amor após 15 anos de casados. 

E o que resta após uma separação? Mais débitos ou créditos?



Ficha técnica do filme Imdb A economia do amor 

 Fotos: uma cortesia Imovision

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière