sábado, 5 de agosto de 2017

O valor de um homem (La loi du marché, 2015), de Stéphane Brizé




Por Cristiane Costa,  Editora, blogueira e crítica de Cinema, especialista em Comunicação 



Realizador de filmes como "Mademoiselle Chambon" e "Uma primavera com minha mãe",  Stéphane Brizé se destaca como um cineasta que aprecia abordar dramas sociais e familiares que levam seus personagens a determinados limites emocionais. Como consequência, a experiência com seus dramas é forte, projetada na plateia com histórias que tocam em temas contemporâneos que são facilmente encontrados no dia a dia como uma forma de opressão. O valor de um homem, protagonizado por Vincent Lindon, que ganhou os prêmios de melhor ator no Festival de Cannes 2015 e o César 2016 veio a consolidar sua filmografia focada no realismo social.







As primeiras cenas já indicam que esse filme tem influência e/ou diálogo com o naturalismo dos irmãos Dardenne. Assim como Marion Cotillard  luta para manter o emprego em "Dois dias, uma noite", Lindon interpreta Thierry Taugourdeau, um senhor de 51 anos, casado e pai de um filho com deficiência. Desempregrado, Thierry é colocado à prova em variadas situações à procura de emprego. O realismo da câmera na mão de Brizé, observadora das mazelas humanas, mostra a humilhação sofrida pelas pessoas quando buscam emprego ou quando precisam se manter em um trabalho. Também mostra, como o ser humano é reduzido a pó ao depender de uma sociedade economicamente opressora.





A atuação de Vincent Lindon tem o primor de um homem concentrado em observar a situação social na qual se encontra. Embora suas emoções não estejam à vista, ele está sentindo o drama. Agora  está de volta à classe trabalhadora francesa e exposto a contundentes situações. Também tem o desafio de manter o próprio emprego, como mais um sobrevivente da selva chamada mercado de trabalho. Pouco sorri. Pouco fala. As poucas vezes que tem alegria, está com a família. O estilo durão e seco do ator também coopera para reforçar a excelente performance do personagem, com olhos e feições que precisam dar conta do drama de Thierry.




Quando encontra um emprego como segurança de supermercado, o drama está em fazer parte de uma arena social na qual empregados são observados, pessoas sem dinheiro e com problemas financeiros agem desesperadamente. Com 51 anos, já experiente de guerra laboral, vivenciar este cotidiano é pesado, cansativo. Os dilemas morais do protagonista são aquecidos como em uma panela de pressão. Seu olhar sempre astuto, tenso e frio, a observar os outros, deixa o espectador em suspense. O que fará Thierry? Ele acredita no seu trabalho? Como se sente? Ele suporta viver assim? Fará alguma loucura?

Fica claro que, transferindo esta ficção para o plano real do cotidiano, diariamente, a classe trabalhadora tem que suportar várias situações humilhantes para sobreviver no emprego, para ter o que comer e pagar as contas. Depender dessa cova dos leões capitalista e empresarial tem um preço alto, no qual nem sempre a humanidade será valorizada. Muitos poderão vir a se questionar: "O que estou fazendo aqui?" "Qual é o valor de um homem?" Nesse sentido, o filme de Brizé é mais um angustiante drama que tem tudo para ser catártico para quem carrega este peso e sabe como dói. Indubitavelmente, o  homem vale muito mais do que pensa.






Ficha técnica do filme Imdb O valor de um homem

Fotos: uma cortesia, Imovision


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière