Sou MaDame Lumière. Cinema é o meu Luxo.

      Por  Cristiane Costa ,  Editora e crítica de Cinema  MaDame Lumière  e Especialista em Comunicação   No assustador ti...

MaDame Cult: Perversa Paixão (1971), de Clint Eastwood

 
 
 



Por Cristiane Costa,  Editora e crítica de Cinema MaDame Lumière e Especialista em Comunicação


 
No assustador time das personagens femininas obsessivas do Cinema,  Alex Forrest (Glenn Close em Atração Fatal) é a reencarnação de Evelyn (Jessica Walter em Perversa Paixão). Belas, sedutoras e inconformadas com a rejeição do homem que amam, atingem um nível severo de perturbação mental. Ignoram que os amantes são comprometidos com outras mulheres e não estão apaixonados por elas, mesmo após vários encontros sexuais casuais e situações constrangedoras.   Esse inconformismo as leva a uma conduta extrema, persecutória e assassina até chegar à família e outras pessoas de seus amantes. Com esse argumento, Clint Eastwood dirige o seu primeiro longa , "Perversa Paixão", um passional thriller sobre obsessão.


 
 
No auge da sua beleza e charme, Clint Eastwood atua como Dave, um DJ de rádio que tem uma programação noturna agradável com hits de jazz, soul e românticas, aderentes ao clima cool dos anos 70. Mora sozinho, próximo à exuberante paisagem marítima e dirige um carrão conversível. Com esse estilo, qual mulher resistiria aos seus encantos ? Seguro de si, ele está acostumado aos flertes ainda mais intensificados pelo seu tipo de profissão, um homem interessante por trás das ondas do rádio. Qual mulher resistiria a ouvir sua voz pessoalmente e no pé do ouvido?  Dave tem uma fã que ele nem imaginaria que seria tão louca por ele, Evelyn é seu nome. Ela gosta de pedir a canção "Play Misty for me", que dá o título original à obra.






O movimento da câmera em panorâmica apresenta ao público esse paradisíaco lugar onde Dave mora. Belíssimo! Paraíso apropriado para levar as amantes a ouvir o som do mar após uma inesquecível noite de sexo. Dave é o cara, mas ele vai se dar mal, nem que seja alguns sustos. Essa introdução antecipa o desdobramento da história, é como dizer: "caro espectador, preste atenção ao local pois na casa de Dave e proximidades acontecerá todo o clímax". Do romance de Dave com sua (ex) Tobie (Donna Mills) à contínua perseguição de Evelyn ,  o galã vivencia  o retorno do amor e um elemento de desestruturação que pode colocar tudo a perder e tirar-lhe a paz.





Como em Atração Fatal de Adrian Lyne no qual Glenn Close reina absoluta e muito louca,  em Perversa Paixão, o spotlight é Jessica Walter, totalmente imersa em um personalidade instável, incapaz de levar um relacionamento naturalmente sadio e aceitar um não. Quando deseja agradar a Dave com comprinhas e demais afetos,  ainda que o maior ímpeto seja romper o clima romântico e sedutor  com um tom bruto na voz  frente à desconfiança e mal estar dele, ela tenta o controle, o dela e o de Dave. Tal característica na atuação ganha uma dimensão aterrorizante, como um monstro a perseguir um homem, comum em personagens como Alex Forrest e Annie Wilkes (Kathy Bates, em Louca Obsessão). A diferença é que Evelyn não é tão inteligente e brilhante como as demais. Sua obsessão é bastante impulsiva, sem tréguas e constantemente urgente em acompanhar todos os passos de Dave. Diferente de Forrest, que sabia seduzir o espectador, Evelyn é uma vítima de si mesma, uma amante cansativa que faria qualquer homem se afastar o mais rápido possível.






Ainda que o roteiro não seja tão expressivo no desenvolvimento, Eastwood alcança uma boa direção levando seu primeiro longa a um status de cult movie, usando referências comuns do thriller e horror, de sangue gore a cenas de paranoia. O uso desses recursos na mise en scène dependem mais da atuação de Jessica Walter que chega a ter momentos fantasmagóricos de ação. Nesse sentido, Eastwood realiza algumas intervenções precisas na direção como o close detalhe, close nos olhos, iluminação noir e movimentos de câmera abruptos que marcam a presença obsessiva de Evelyn, a acompanhar Dave do lado de fora de um bar ou quando ele está na companhia da namorada.  Com a chegada de Tobie, a narrativa  se desenrola a um momento de paz  para Dave, quando curtem um festival de jazz/soul, que marca bem a época  e as músicas do filme, e  fazem amor ao som da clássica "The first time ever I saw your face", de Roberta Flack, momento íntimo que funciona como uma eficiente passagem para o último ato, muito mais perturbador. A presença de Tobie provoca intensos ciúmes em Evelyn, que rompe totalmente com qualquer possibilidade de recuperação no tratamento psiquiátrico.




Em um inesperado ataque de Evelyn , munida de uma faca, o sangue grosseiramente vermelho e consistente jorra pela casa. Os olhos esbugalhados de Jessica Walter, seu desespero e insanidade fazem um ótimo contraponto com as feições suaves e a indignação latente no rosto de Dave que, durante boa parte da projeção, mantem a racionalidade e não está muito preocupado se ela vai mata-lo ou não. Essa aparente tranquilidade de Dave causa um estranhamento e a loucura de Evelyn se torna mais ficcional e absurda.  Diante  disso, Perversão Paixão tem estilo cult  que mescla um toque de terrir (horror + risadas), conduz ao típico riso nervoso, além do suspense inspirado em Hitchcock. É como ser incomodado pela pergunta recorrente: Por que Evelyn está fazendo isso? Que tal ter um pouco de autoestima? Nenhum homem vale tanta destruição. Nem Dave está tão preocupado. 


 
 
Ficha técnica do Imdb Perversa Paixão
 

0 comentários:

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.

Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema.

No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.

Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière