sexta-feira, 17 de abril de 2015

É tudo Verdade 2015: A paixão de JL (JL's Passion) - 2014


Acompanhe uma seleção de documentários no MaDame Lumière 






Por Cristiane Costa

Quando se fala sobre documentários, um dos aspectos que incorpora melhor  qualidade a eles e faz a diferença é como o diretor constrói o filme e, principalmente, orquestra a edição: como ele funde ficção com não ficção, como trabalha a memória, a história e a História, som com imagem, tempo com movimento, lirismo com razão, drama com humor, ausências com presenças. 



Dentre os documentários Brasileiros, Paixão de JL ( JL's Passion, 2014) de Carlos Nader tem a virtude de ter uma construção audiovisual  totalmente diferente da maioria dos outros longas. Ao abordar sobre o artista visual José Leonilson,  seu amigo pessoal  que faleceu em 1993 , aos 36 anos, por ocasião da AIDS, Nader realiza uma bela poética no Cinema Nacional. Ele faz a fusão  dos trabalhos artísticos de JL, das confissões gravadas pelo próprio artista, em forma de diário em fitas cassette, e arquivos históricos de variados assuntos da época. Como esse era um projeto a tornar-se público desde o ínicio, Nader teve acesso às fitas e realiza um filme muito intimista, uma bela homenagem póstuma.


Intimismo é um dos pilares narrativos desse documentário. Em 1990, José Leonilson começou a gravar seu diário íntimo tomado por uma necessidade bem pessoal de falar sobre seus sentimentos, sua existência. A maioria das confissões são de natureza muito pessoal, afetiva, dolorosa. Nas primeiras falas, a fronteira da formalidade é quebrada e o artista escancara o coração, com aquele sensível tom de sinceridade. São como aqueles momentos inquietos nos quais tentamos nos entender, compreender o mundo e os outros, achar uma explicação para angústias, medos, solidão, sofrimento.




Obra de José Leonilson


O longa também traz um peso contextual  que é fundamental para não transformá-lo em um divã pessoal. A partir dos comentários de José Leonilson sobre política, música, Cinema, o diretor realiza uma montagem com filmes de Wim Wenders, Derek Jarman e outros cineastas, arquivos audiovisuais de novelas e séries, trechos com a Madonna etc. Durante a gravação desse diário íntimo, José Leonilson descobre ser portador do HIV e o longa coloca o público como testemunha desse momento tão dilacerante na vida do artista, entre a fronteira da vida e da morte, principalmente considerando que ele ficou doente em uma época na qual a doença não era tão abertamente discutida e havia um medo natural de contar sobre AIDS para os amigos e família, de sofrer, de morrer.





Obra de José Leonilson


De maneira muito sensível e sem usar o corpo físico, o documentário é todo trabalhado com uma colagem visual  dos trabalhos artísticos e a voz gravada de José Leonilson. Pode ser interpretado como o espectador quiser e sentir na hora: como uma poesia audiovisual, uma  cinebiografia artística com voz existencial, uma galeria visual com confissões pessoais. Esse é um filme que é o próprio JL tomando forma, independente de seu corpo, ele está próximo ao espectador. 



A decisão de Carlos Nader em trabalhar com o áudio espontâneo e corporificar JL é fantástica. Faz a diferença com uma proposta de unir intimidade com arte. O lirismo e a sinergia entre planos são bem combinados no resultado final, tanto do ponto de vista da construção como da emoção. Considerando que a obra de José Leonilson é muito pessoal e uma clara evidência de quem ele era e o que sentia, com esse documentário, é possível conhecer um pouco mais dele, ou conhecê-lo pela primeira vez como se já tivesse o conhecido há muitos anos atrás.





Fotos: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière