quarta-feira, 23 de março de 2016

Meu Amigo Hindu (My Hindu friend, 2015), de Hector Babenco



Foto: Acervo MaDame Lumière. Première do filme em São Paulo.


Filme marca o retorno de Hector Babenco à direção para contar sua experiência durante tratamento de câncer



Por Cristiane Costa, Owner, Editora e Crítica de Cinema MaDame Lumière e Especialista em Comunicação Empresarial 


Reconhecido como um experiente cineasta e diretor de teatro, com destaque para filmes importantes no país como "Pixote: a lei do mais fraco" , " O beijo da mulher aranha" e "Carandiru", é inegável que Hector Babenco tem credenciais  para entregar bons trabalhos. Em seu mais recente filme, "Meu amigo Hindu", em cartaz nos cinemas, ele assina o roteiro e entra em uma seara mais intimista de sua biografia: a descoberta de um câncer linfático em 1990 e a posterior ida aos Estados Unidos para a realização de um transplante de medula. 


Na história, Diego (Willem Dafoe) é o cineasta que é casado com Livia (Maria Fernando Cândido), uma mulher que claramente o ama e está para o que der e vier. A doença é revelada e a necessidade emergencial de um transplante faz com que ele saia do país acompanhado por sua esposa. Durante o tratamento quimioterápico, Diego conhece uma criança hindu e tornam-se amigos. Nesta luta pela vida, ele levou oito anos para a recuperação e o longa mostra alguns recortes biográficos de altos e baixos desta jornada como a amizade entre ele e o menino, o casamento e a separação, os problemas familiares e a relação com a morte.






Com  Selton Mello (a morte), Reynaldo Gianechinni( o médico), Guilherme Webber (o irmão), Barbara Paz ( a amante) entre outros, logo nos primeiros planos, o filme apresenta ao público vários atores brasileiros, a maioria figurante, sem muita função dramatúrgica e que apenas representam os amigos de Diego. Todos falam em inglês, aliás, uma decisão obrigatória porque somente assim Willem Dafoe poderia participar como personagem principal. 

Com este cenário, o início do longa é sofrível e um tanto cômico pois já mostra a classe média alta endinheirada totalmente figurante e  insignificante a dar risadas que não têm a menor graça, bebendo e comendo na festa de um amigo que está com câncer e sem agregar nenhum valor ao longa. Em nenhum momento, há uma honesta conexão afetuosa entre eles, desta forma, por alguns minutos é impossível não se perguntar: o que todos estes atores estão fazendo no filme? Será que era realmente necessário? Além disso, por mais que os atores brasileiros se esforçaram para falar inglês, o idioma não soou natural para perpetuar-se em toda a projeção, então a interpretação realista em si é ligeiramente afetada por causa da língua. Salvo Selton Mello, que tem a melhor participação do longa ao lado de Dafoe e também o melhor inglês nos diálogos, todas as outras falas soam artificiais e tendem a sobrecarregar a experiência linguística com o filme.




                               Foto: Acervo MaDame Lumière. Première do filme em São Paulo.



Sem dúvidas, o longa tem várias irregularidades e somente atrai atenção após a ida de Diego aos Estados Unidos. A partir daí, a narrativa começa a apresentar a excelente atuação de Willem Dafoe, que demonstra à flor da pele o sofrimento imposto pelo câncer. Ele é bem apoiado por sua aparência física magra e frágil e sua experiência com histórias mais dolorosas. Ainda que isolado em seu papel, é exatamente o ator que salva  o pouco de positivo que o filme tem. Então, o longa é ruim? Não exatamente. 



O que acontece em "Meu amigo Hindu" é uma miscelânea de momentos bons e outros não tão bons em termos narrativos, como por exemplo, um dos pontos positivos é a tentativa de Babenco ser o mais espontâneo possível ao relatar sua experiência sem se importar muito com a impecabilidade de um drama acima da média ou "fazer média" para falar o que pensa e sente; desde deixar evidente seus problemas com a família, a decadência com o casamento, os efeitos colaterais da doença, a solidão, a falta de sexo,  os delírios com a morte e o medo, à sua maneira, ele leva tudo isso ao público. 






Por outro lado, o ponto negativo mais evidente é que a execução acompanhou a fragilidade do roteiro. Ele não aprofunda a relação de amizade que dá título ao filme e existia espaço para isso, assim, a espontaneidade de falar com o público não se converte na mimetização de emoções genuínas em grande parte do filme. No mais, o texto não é bom, não estabelece conexão emocional e nem desperta interesse pelo que virá nas próximas cenas, logo, a história deve ser encarada como fragmentos biográficos. Diante disso , é como se tivesse havido um desperdício da história a ser contada , principalmente na relação de amizade  do adulto com a criança e o quanto isso poderia ter sido cativante, acolhedor, lúdico e libertador. Deve ser lembrado que, por mais que falar sobre  câncer é sensível, intimista, delicado e previsivelmente emotivo, a execução do filme pode impactar negativa ou positivamente nesta conexão  entre o contador de história e o público com relação ao tema. É possível ter empatia pela história, mas não necessariamente pela forma como o filme foi roteirizado e executado.

Com isso, "Meu amigo Hindu" tem suas faltas, mas também tem seus momentos sublimes como o desfecho de inspiração metalinguística e que é bem intepretado por Barbara Paz, bastante talentosa pelo seu background no teatro e na dança.  Assim, no geral, ele tem que ser disfrutado como uma experiência de fronteira  entre a vida e  a morte, uma linha tênue entre a realidade e os devaneios, e como também é desafiador voltar a viver após um tratamento invasivo como uma quimioterapia, como é difícil recomeçar. Apenas desta forma, o filme pode ser melhor compreendido no que ele tem de melhor e de pior. 



Ficha técnica do filme IMDB Meu Amigo Hindu





3 comentários:

  1. Percebi a temática tratada por Atul Gawante no livro "Mortais", também abordada por David Bowie em seu último disco. Difere deste somente por ainda estar vivo, graças a Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que interessante! Ainda não conheço este livro. Vou consultar. Obrigada pela visita!

      Excluir
  2. estou assistindo agora na Globo, dublado infelizmente, e seu retrato do início é perfeito. aquele tipo de humor cáustico não faz parte da nossa cultura, mesmo em ambientes mais desprendidos de pudores. e aquela cena dos ricos que foram ver quem voltou dos mortos...patética, como se todos os ricos fossem Imbecis sem algum tipo de formação espiritual.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière