Sou MaDame Lumière. Cinema é o meu Luxo.

Por  Cristiane Costa ,  Editora e blogueira crítica de Cinema, e specialista em Comunicação Alguns dizem que "...

Três Dias para matar ( 3 Days to kill, 2014)







Por Cristiane Costa,  Editora e blogueira crítica de Cinema, especialista em Comunicação




Alguns dizem que "Três dias para matar" (3 Days to Kill, 2014) é um filme mais do mesmo. De fato, ele não é uma excelente comédia de ação, mas tem em si uma característica muito autêntica que o torna divertido: ele mesmo não se leva a sério e não engana o público.


Estrelado por Kevin Costner no papel de um atirador freelance que presta serviços para agências secretas, a história tem autoria de Luc Besson, conhecido produtor, realizador e roteirista que tem verdadeira paixão por filmes de ação e influenciou o gênero no Cinema Francês com reconhecimento internacional. Assim, o filme é uma combinação de drama familiar com comédia de ação na qual Ethan Renner (Costner) retorna à Paris para reencontrar a filha Zooey (Hailee Steinfeld) e reconquistar seu afeto e confiança.










Luc Besson escreveu uma história que reúne o cômico, a ação e o sentimental, o que não é surpreendente. Como lhe é natural, o filme não projeta uma narrativa muito rígida nos conflitos familiares e mantém um apelo desencanado e divertido.  Acometido por uma grave doença, Ethan apenas deseja conviver os dias que lhe restam com a filha e a esposa Christine  (Connie Nielsen). Como vários homens a serviço de agências e  contra o crime, ele também carrega a culpa de ter ficado distante da família.


Para manter a ação em foco, Ethan é contratado pela agente da Cia e femme fatale Vivi Delay (Amber Heard) para matar um criminoso. Toda a história é construída entre a ação e as tentativas e retomada do relacionamento entre Ethan e sua filha. Com isso, o filme se torna agradável ao ver a atuação de Kevin Costner, um cara durão que se aproxima da filha adolescente e nem sempre sabe como lidar com ela. Em várias cenas, tanto sensíveis como tolas, o ator está bem relaxado a ponto de interagir comicamente com os comparsas do inimigo ou ajudar a filha em situações perigosas e afetivas.






O diretor McG combina com esse lado divertido de Luc Besson, pois já produziu e realizou várias comédias de ação como "Guerra é guerra" e as "As panteras: detonando", além de séries televisivas como "Nikita". Nesse filme, há boas cenas de ação, mas nada excepcional, apenas o diretor faz o que já está acostumado sem comprometer tanto a naturalidade de Kevin Costner. Entre os contras, o filme se estende bastante e desnecessariamente, não tem bom desencadeamento de cenas para o desenvolvimento equilibrado entre drama, comédia e ação, além do papel de Amber Heard ser medíocre e subaproveitado pelo roteiro.






O melhor do longa é Kevin Costner, um daqueles atores queridos que já foi guarda-costas, príncipe dos ladrões, anjo da vida e tantos outros personagens protetores no Cinema. Ele continua em forma, boa pinta e carismático, então o filme traz uma nostalgia de contribuições passadas do ator. Assim como Kevin Costner, Ethan também é um cara legal e apenas isso basta.





0 comentários:

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.

Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema.

No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.

Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière