sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Maratona Oscar 2011: A Rede Social (The Social Network) - 2010






O boom das mídias sociais é um dos fenômenos mais emergentes da internet nos últimos anos e um dos episódios mais polêmicos desse crescimento tecnológico foi a criação da rede social Facebook pelo jovem Mark Zuckerberg, um nerd da computação que criou uma das mais populares ferramentas de comunicação do momento. A grande ironia da criação x o criador é que no Facebook podemos adicionar, colecionar e manter contato com vários amigos reais e virtuais e Mark é conhecido como o atual bilionário da tecnologia que não tem perfil para as relações humanas. Tal comportamento é surpreendente para um gênio do desenvolvimento de software? Nem um pouco, afinal, há vários caras da tecnologia que interagem melhor com um mainframe do que com pessoas, portanto, é compreensível que Mark tenha criado o Facebook não apenas por uma idéia inovadora em codificar um novo site e impulsionado por um ato criativo após levar um fora da ex-namorada, mas provavelmente para cobrir uma lacuna de si mesmo, mergulhado no seu solitário e cibernético mundinho, ávido por testemunhar e controlar a ferramenta que milhões de usuários fazem amigos na internet.






O gênio David Fincher retorna à cena do Cinema para dirigir A Rede Social, baseado no livro Bilionários por Acaso, A criação do Facebook de Ben Mezrich, e cria uma linguagem cinematográfica intensa, veloz, ultradinâmica que elevou substancialmente a qualidade do seu trabalho e reputação perante a crítica e os apreciadores de uma excepcional sétima Arte. No longa, Mark Zuckerberg (Jesse Eisenberg) tem background universitário de primeira linha, a de Harvard. Após ser dispensado pela namorada, volta ao isolamento do seu quarto e cria um site de comparação entre garotas que provoca um sucesso estrondoso no campus. Tal episódio chama a atenção dos irmãos Winklevoss (Armie Hammer), que desejam desenvolver um site inovador, o HarvardConnection. Mark passa a trabalhar com eles, e mais tarde, é acusado de roubar a idéia de criação do Facebook. Mark se envolve em dois processos judiciais: um dos Winklevoss e outro do seu (ex) amigo, o Brasileiro Eduardo Saverin (Andrew Garfield) que acaba entrando em um briga feia com ele após a entrada na empresa do influente Sean Parker (Justin Timberlake), fundador do Napster e co-fundador do Facebook. Dizem as fontes biográficas que Sean desestruturou o relacionamento dos ex-amigos e exerceu forte influência no fundador do Facebook, tal que ele se tornou um dos presidentes e acionistas da empresa até ser afastado por posse de drogas. Eisenberg, Garfield e Timberlake realizam um ótimo trabalho, cada um personificando bem a contribuição de cada personagem para dar dinâmica ao conflito, além de comporem os diferentes tipos da juventude de uma geração Web. 2.0, que pode ficar milionária de uma dia para o outro ao lançar uma grande idéia tecnológica. No destaque principal, Eisenberg se fecha no mundo Mark Zuckenberg com uma intepretação bem responsável e centrada.





Vencedor de prêmios importantes do Cinema como o Globo de Ouro, National Society of Film Critics, etc, A Rede Social caiu bastante nas apostas de melhor filme para o Oscar 2011 após o favoritismo de O Discurso do Rei (The King's Speech), fato que não o desmerece como forte candidato. É um filme bem realizado pela forma como é dirigido e por um roteiro inteligente de Aaron Sorkin que possibilita perceber como esses conflitos são fragéis e deixam a incógnita: Quem é Mark Zuckerberg e como foram esses bastidores na vida real? O filme não toma partido de ninguém, deixando o 'mito' Facebook como uma curiosidade. No mínimo, Mark é um empreendedor peculiar que tem o mistério de sua racional discrição e parece não ter perdido o controle da situação em nenhum momento enquanto ganhava alguns inimigos. Sua genialidade e senso de oportunidade são evidentes. A direção de David Fincher é um espetáculo técnico à parte e tem um excepcional ritmo que dita uma linguagem cinematográfica impactante, dinâmica e tensa na experiência cinematográfica do público. Não há como não assistir A Rede Social e ser impactado por uma nova forma de comunicar o Cinema, de contar uma história em uma narrativa que mescla depoimentos de processos judiciais, criação de Facebook e o processo conflitivo entre os envolvidos. Nesse aspecto, uma verdade deve ser dita: O criador de A Rede Social é David Fincher, somente um diretor do nível dele poderia criar uma ágil linguagem como se fosse um código único na História do Cinema Moderno.


Avaliação MaDame Lumière




Chances para o Oscar:
Forte competidor para o prêmio de melhor direção e roteiro adaptado. Se vai ganhar o Oscar de Melhor Filme? Só se o "Rei" deixar!



Título original: The Social Network
Origem: USA
Gênero: Drama
Duração: 120 min
Diretor: David Fincher
Roteirista(s): Aaron Sorkin
Elenco:Jesse Eisenberg, Andrew Garfield, Justin Timberlake, etc.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière